27 de ago de 2008

O IMPERADOR DO PARANÁ

Roberto Requião remanejou o primeiro escalão da administração do Paraná. Nomeou como secretários especiais a sua esposa e seu irmão, como forma de adequar a sua administração ao que provavelmente determinará a súmula do STF, sobre o nepotismo.

Quanto aos muitos demais parentes dele empregados na administração estadual, só após a edição da súmula haverá decisão.

Enfim, tudo como dantes, no quartel de Abrantes.

26 de ago de 2008

FUNDO SOBERANO

Um Fundo Soberano nada mais é que uma reserva de dinheiro de um país, usado para investimentos produtivos privados dentro ou fora de seu território, algo como uma carteira de ações com dupla função:

a) facilitar negócios interessantes ao país;
b) gerar lucros com destinação específica.

Na prática, economizar recursos públicos em um determinado momento, para depois passar a adquirir participações em empresas e negócios que gerem dividendos, tal qual faz uma instituição financeira, quando capta dinheiro de seus clientes para administrar carteiras de ações.

A diferença é que, quando um país faz isso, atua em escala global e utiliza a lucratividade gerada para funções públicas.

Imaginemos um governo adquirindo milhões em ações de determinada empresa, desde que ela se comprometa a montar uma unidade de produção ou de negócios no seu território.

Ou, ainda, ditos "off-set", que são comuns em operações de venda de produtos bélicos - um país vende uma quantidade "x" de aviões para outro, que por sua vez, comprando-os, recebe investimentos do fundo em igual valor, dentro do seu território.

A Noruega, a China, o Kwait e alguns outros países o têm, usando-o para alavancar sua economia e fazer reservas e como contra-partida, obtendo investimentos estrangeiros.

E a destinação do dinheiro que advém do lucro serve para diversas finalidades, tais como melhorar a infra-estrutura, programas sociais e algo que me chama especial atenção, financiar sua Previdência Social.

A Previdência é um problema global, causado pela diminuição do número de contribuintes. Ela tanto será mais problemática, quanto mais idosa a população do planeta, colocando nessa equação outro problema ainda mais sério: o planeta agüenta o aumento exponencial da população por quanto tempo? Os sistemas previdenciários criados na metade do século XIX, e em funcionamento até hoje, são calcados na contribuição dos ativos, que paga a aposentadoria dos inativos. No Brasil, houve época em que 20 ativos contribuíam para manter um inativo. Hoje, essa proporção é de 4 x 1 e caindo. Portanto, todos os sistemas calcados na contribuição estão fadados a falir, porque a população não crescerá aos níveis do passado e tende a estabilizar e envelhecer, e é nesse momento em que entram os fundos financeiros, porque eles são capazes (em teoria) de gerar recursos advindos de lucratividade para financiar aposentadorias.

Penso que os fundos soberanos acabarão financiando a previdência de muitos países, desde, claro, que bem administrados. Eles seriam a versão estatal dos fundos privados de previdência, compensando, em parte, a perda de receita decorrente da estabilidade dos índices demográficos.

É por essa, e outras razões, que não acho ruim a idéia de criação de um fundo brasileiro. Ele poderia ser utilizado para diminuir o déficit previdenciário, fazendo parte do financiamento do sistema, além, claro, das outras vantagens citadas, como a de ser utilizado para atrair investimentos estrangeiros ou vender produtos brasileiros.

No entanto, é óbvio que é preciso discutir a questão com a sociedade.

Se por um lado é interessante que o governo contingencie parte do orçamento para alavancar um fundo, por outro, me assusta, e muito, que a administração disso ficará nas mãos dos políticos nacionais, sempre instáveis e pouco afeitos a não ceder à tentação de usar os recursos para fazer demagogia eleitoreira.

Um Fundo Soberano é um instrumento absolutamente capitalista, que depende do capitalismo e do seu principal elemento, o lucro, para ter sucesso. Se um governante resolver utilizar seus recursos para fazer política social (e eleitoral) a fundo perdido, se aplicar o dinheiro em investimentos duvidosos (ou superfaturados) de infra-estrutura ou se intervir em sua administração para torná-la mais próxima de seus interesses políticos (nomeando parentes, por exemplo), o sistema pode desabar feito castelo de cartas e o dinheiro pode ir para um ralo ainda mais voraz que o da administração pública comum, porque o mercado de ações, por exemplo, tem surtos de histeria que acabam com fortunas inteiras em dias, sendo que todos os passos dentro dele devem ser muito bem pensados.

Outro aspecto importante é de onde sairão os recursos para formá-lo. O dinheiro de impostos não pode ser utilizado, mesmo com contigenciamento orçamentário, porque são verbas carimbadas, com destinação específica determinada na Constituição e nas Leis do país, operadas via orçamento. Uma das idéias é utilizar-se dos recursos ainda não certos da exploração de petróleo da camada pré-sal, e ainda, partes dos lucros de empresas estatais e retenção de royalties.

Enfim, a idéia é boa, mas a administração é complexa. Acho que não devemos descartar a hipótese, mas ao mesmo tempo, devemos debater o tema com profundidade e principalmente, criar mecanismos de fiscalização.

22 de ago de 2008

A HORA DE ELOGIAR

A cada quatro anos, a cada olimpíada, nós torcedores do esporte brasileiro experimentamos muitas decepções. Minha opinião sobre a atuação deletéria da imprensa e pela falta de base esportiva decorrente da irresponsabilidade de nossos cartolas e políticos é apenas o complemento do que deve ser dito sobre muitos de nossos atletas, que precisam, e muito, de um acompanhamento psicológico melhor para focar suas atuações em resultados.

Eu continuo achando que o esporte brasileiro está involuindo. Bons resultados em modalidades em que não temos tradição, têm sido fruto de uma política de pinçar fenômenos, atletas excepcionais e prepará-los em separado dos demais. Dá certo as vezes, mas o melhor era o Brasil ter carreiras esportivas, circuitos de competições e categorias de base em todos os esportes em que tenciona disputar jogos olímpicos. Seria bom do ponto de vista de ganhar medalhas, mas seria muito melhor do ponto de vista de difundir os bons conceitos e valores que o esporte encerra, ajudando a criar cidadãos melhores.

Mas não vou deixar de elogiar quem merece (na ordem de importância que atribuo), por seu destaque nestes jogos de Pequim:

1. Maurren Higa Maggi. Ganhou uma medalha ainda mais importante que a da natação de Cesar Cielo. Isso porque ela não teve o treinamento específico no exterior, sempre atuou com base aqui no Brasil. Além disso, deu prova de superação e caráter, porque foi injustamente punida por doping e soube dar a volta por cima. Haverá quem diga que suas principais adversárias sairam da disputa e não chegaram à final. Mas isso é do esporte, e o que ficará na história é que ela não tremeu quando o ouro lhe acenava, ao contrário do que aconteceu com muitos brasileiros, cujos nomes não citarei aqui.

2. Ketleyn Quadros. Uma moça pobre, humilde e que teve enormes dificuldades em ir a Pequim. Chegando lá, foi a primeira brasileira a ganhar uma medalha individual na história dos jogos. Não se pode deixar de reverenciar tanto esforço. Bronze que valeu ouro.

3. Robert Scheidt. Ele e seu parceiro estavam em 13º lugar quando faltavam 3 regatas para acabar a competição. Partiu pro tudo ou nada e chegou na regata final sonhando com um bronze. Conseguiu prata num esporte onde o vento a favor ou contra nem sempre é justo com o trabalho dos atletas.

4. Cesar Cielo. Sem maiores comentários, entrou nos jogos focado para vencer, chegou em Pequim como um invisível, saiu de lá como o maior nadador brasileiro de todos os tempos.

5. Seleção Feminina de Futebol. Apesar da atuação desastrosa na final, a seleção feminina tem méritos, porque aqui no Brasil não existe nenhuma estrutura para que elas pratiquem seu esporte. São ignoradas pela CBF e jogam torneios de várzea aqui no Brasil e mesmo assim, são medalhistas de prata contra verdadeiras profissionais, como as americanas, as norueguesas, as suecas e as alemãs. Pela absoluta falta de apoio, são vitoriosas.

6. Não sei se o Brasil será medalha de ouro no volei de quadra masculino e feminino. Penso que são as seleções mais bem montadas que o Brasil mandou a Pequim, basicamente porque o volei é um esporte que tem bases, onde se disputam campeonatos e mal ou bem há patrocínios e divulgação pela TV. O que ficou claro, é que há um trabalho muito sério nesse esporte, tocado por gente como Bernardinho e José Roberto Guimarães, onde se nota que não vivemos mais de uma geração de ouro ou prata. Hoje, há renovação constante e o Brasil virou potência no esporte. Mesmo que eventualmente percam as medalhas de ouro, ainda assim o resultado será ótimo por demonstrar que o Brasil trabalha as duas categorias sem preconceitos e discriminações.

21 de ago de 2008

TEXTO PERFEITO!

Sabe quando você lê algo que queria escrever mas não teve capacidade?

Pois é, o jornalista Bob Fernandes, no seu blog no Portal Terra escreveu algo assim hoje.

Recomendo... e fico aqui, na invejinha de não ter escrito:

BRASIL: O MEDO DE VENCER E AS DERROTAS.

E também a Ruth de Aquino, na versão digital da Revista Época:

ESSA GENTE BRONZEADA E O CHORORÔ OLÍMPICO.

19 de ago de 2008

O TRÂNSITO VAI PARAR? (PARTE 3)

Está na Folha de S. Paulo de hoje:

Propostas para o trânsito de SP ignoram explosão da frota

Um dia alguém disse que campanha eleitoral serve para debater os grandes temas da coisa pública. Bobagem! Campanha eleitoral tem servido para divulgar asneiras, como as que Marta Suplicy, Geraldo Alckmin e demais concorrentes deixaram claro para esta reportagem da Folha.

Mas o fato é que os candidatos demonstram ou má assessoria ou preocupação excessiva com os humores do eleitorado, mormente aqueles ditados pela sensibilidade do seu bolso.

Falar que o metrô será aumentado é partir do pressuposto que a cidade terá BILHÕES de reais para aplicar em obras, coisa que sabemos que não tem, e estamos falando de São Paulo, cidade mais rica do país. Sem contar que a obra do metrô é estadual, o que faz dessa promessa uma tentativa clara de usar o bolso alheio para receber o próprio troco.

Dizer que haverá mais corredores de ônibus é como ignorar que eles existem hoje em dia e pouco representam em termos de solução.

Pior de tudo, apostar em obras viárias, viadutos, pontes, minhocões, etc... é continuar no velho modelo, aquele que incentiva o transporte individual ao custo de bilhões em licitações que sempre acabam objeto de suspeitas, com outro agravante, a deterioração de áreas da cidade.

E não pense o leitor que em Curitiba ou Porto Alegre a coisa está diferente, eu preferi usar São Paulo porque nela o problema é real, presente, imediato. Aqui em Curitiba, é um problema, mas cuja gravidade ainda não chegou no nível da calamidade como na Paulicéia onde, se houvesse algum planejamento há 30 anos atrás, talvez a situação atual seria melhor, e isso sem o excesso de viadutos e obras viárias que impermeabilizam o solo, aumentam a poluição e não resolvem a questão da mobilidade urbana.

O trânsito vai deteriorando a olhos vistos em todo o lugar, e nenhuma medida concreta é discutida de modo franco, livre dos clichês eleitorais. Hoje, se algum candidato falar em pedágio urbano, o marketing da campanha dos adversários (qualquer um deles) dirá que ele pretende cobrar pelo uso das ruas, levantará o preço das rodovias pedagiadas e as suspeitas de corrupção em suas concessões, etc... mas certamente não lembrará que todos os partidos políticos um dia resolveram aplicar essa solução em seus governos e que mal ou bem, as rodovias pedagiadas são as melhores do país.

Mas eu já cheguei à conclusão que este será um dos caminhos, por mais que eu mesmo não goste dele. Em São Paulo, haverá cobrança para uso das marginais e de vias públicas onde concentra-se o movimento, e uma vez aplicado em São Paulo, será questão de dias ou meses para que chegue no Rio, em Belo Horizonte, Curitiba, etc...

Não gosto da solução, mas ela tem o mérito de desestimular o uso do transporte individual.

E você, leitor? Que sugestão daria para melhorar o trânsito?

Eu encerro com uma sugestão: diminuir as vagas de estacionamento à margem das ruas, transformando-as em pistas de rolamento. Isso traria mais um custo para o dono de automóvel, o de pagar estacionamento privado. Mas funciona, embora apenas em parte, para dar melhor fluidez ao trânsito.

17 de ago de 2008

O ESPORTE BRASILEIRO INVOLUI

Nossas escolas mal e porcamente conseguem ensinar o básico para seus alunos, e não me refiro apenas à rede pública. Mesmo as escolas privadas são péssimas, por mais que a cada janeiro façam publicidade caríssima mostrando alunos contentes em salas de aulas modernas e em torno de equipamentos esportivos e culturais que só servem para justificar o aumento constante de suas mensalidades.

E o mesmo acontece nas universidades. Estudei na UFPR, numa época em que os equipamentos esportivos estavam praticamente abandonados, mas mesmo assim, quando havia competições entre instituições, ela vencia todas, porque as estruturas das universidades privadas eram ainda menos que ridículas, considerando as mensalidades milionárias que já na época cobravam, sem contar o "pagou-passou" que é a regra do ensino superior nacional, basta ver as más qualificações do ENADE.

Antigamente, o esporte amador no Brasil era praticado nos clubes sociais. O Flamengo e o Vasco da Gama, o São Paulo e o Pinheiros, o Pinheiros de Curitiba, o Minas Tênis de Belo Horizonte e a SOGIPA em Porto Alegre. Se não criavam atletas olímpicos, difundiam os esportes e criavam bases que, melhor trabalhadas, poderiam gerar bons resultados nos circuitos regulares. Se isso não acontecia, é porque no Brasil nunca houve o passo seguinte. Havia a base, e só.

Mas todos esses clubes entraram em crise. Os que mantém futebol, pelo aumento exponencial do custo deste esporte, obrigados a carrear todos os seus recursos para pagar jogadores nem sempre bons. Já os clubes eminentemente sociais, porque sofreram a concorrência dos condomínios com piscinas e quadras esportivas (que viraram mania da construção civil nacional nos ultimos 10 ou 15 anos), perdendo sócios e obrigando-se a desfazer de patrimônio para manter as contas em ordem.

Daí vemos os resultados dos atletas olímpicos do Brasil e descobrimos que as medalhas mais importantes são conquistadas ou por verdadeiros fenômenos do esporte, ou por pessoas que treinam e vivem fora do país.

O Brasil não tem bases esportivas.

Penso que as pessoas se acostumam à pressão constante, mas sofrem com a pressão eventual. Isso explica o por que de chineses e americanos terem bons resultados olímpicos. Eles são pressionados sempre e não é incomum que suas competições sejam transmitidas e comentadas periodicamente e que as pessoas os reconheçam nas ruas, aplaudindo seu desempenho e cobrando resultados. E eles suportam, porque são resultados de um processo de criação de atletas que se inicia nas escolas e passa pela universidade até chegar à profissionalização.

Aqui no Brasil foram criados centros de excelência que escolhem alguns atletas promissores e os trabalham. Mas isso não é suficiente, porque esse tipo de programa depende muito de resultados para conseguir patrocínio e evoluir no sentido de aumentar o número de pessoas que o componha.

E ao mesmo tempo não há o apoio constante da sociedade, basta ver que as TV(s) brasileiras só transmitem competições de judô, ginástica e atletismo se elas custam baratinho ou se de graça. Mas essas mesmas TV(s) cobram, e cobram bastante, os resultados que tragam medalhas e audiência durante as Olimpíadas, com direito a comoção nacional quando elas entrevistam os avós, ou os tios ou as ex-namoradas dos eventuais medalhistas.

Daí criamos uma situação sui generis: Atletas olímpicos que recebem treinamento de qualidade mas só são cobrados e só sofrem pressão durante as Olimpíadas. Nos 4 anos anteriores, esquecimento, durante os jogos, cobrança e pressão.

Sem contar que de regra, esses atletas chegam à competição máxima do esporte sem experiência esportiva de base. Não participaram de competições infantis e juvenis, não fizeram exatamente uma carreira esportiva, não se acostumaram às pressões, porque nos circuitos eles não são lembrados por ninguém e seus resultados são motivo de notinhas de canto de página nos jornais.

Mas nas Olimpíadas, eles viram capas e motivos de flashes e são perseguidos pelos repórteres.

Os resultados brasileiros em Olimpíadas não são pífios por não conseguir medalhas.

Eles são pífios porque a cada 4 anos, não constatamos evolução alguma nos esportes.

Continuamos escolhendo uma meia dúzia de agraciados a receber patrocínio de fome de empresas estatais, mas as crianças brasileiras não lutam judô, não correm nem saltam, não praticam ginástica e não têm sequer bolas para jogar basquete e handebol. Não há torneios infantis e juvenis, não há o embate entre escolas e universidades e mesmo as competições entre clubes vão rareando porque todos eles estão quebrando.

É preciso, sim, investir nos centros de excelência e nos atletas olímpicos. Metade do dinheiro que é jogado fora a cada vez que o Rio de Janeiro tenta sediar uma olimpíada, já seria uma evolução e tanto. Mas ao mesmo tempo é necessário desenvolver bases esportivas para que o país não dependa mais de fenômenos e que aprenda pelo esporte coisas vitais para o desenvolvimento humano e social, como disciplina, responsabilidade, capacidade de absorver derrotas e humildade em encarar as vitórias.

Desenvolver o esporte no Brasil seria bom para a sociedade, e não só para acumular medalhas.

15 de ago de 2008

IMPRENSA ESPORTIVA JERERECA

Jade Barbosa, assediada pela imprensa por ser jovem, bonita e ter ótimos resultados no circuito internacional de ginástica artística, quando chegou a Pequim assustou-se com o assédio dos repórteres e foi às lágrimas, tamanha o nervosismo causado pela pressão que lhe impõem.

Ontem, numa final em que deveria disputar medalha, de tão nervosa errou feio e caiu duas vezes. Justamente ela, que em competições normais faz apresentações competentes e sempre se classifica entre as primeiras na categoria.

E seu desempenho no torneio por equipes também foi prejudicado, apesar de que, nos dois casos, o Brasil alcançou a melhor posição de sua história.

E todas as vezes que vejo entrevistá-la é invariável, perguntam como será a luta pela medalha, se tem chance de medalha e alguns até lembram a ela dos ótimos resultados no circuito internacional, que a qualificam a ganhar medalha.

Uma pressão injusta e imoral sobre uma menina de 16 anos. Tratam ela, que recebe uma ajuda de custo de fome e treina longe da família a maior parte do tempo, como tratam o Ronaldinho Gaúcho, que quase aos 30 anos de idade, ganha milhões, é conhecido mundialmente e vive como super-astro.

Com esse tipo de atitude tentando criar uma heroína, não há como não prejudicar o desempenho dela.

A imprensa brasileira me enoja quando o assunto é cobertura esportiva.

Nas TV(s) brasileiras, é quase impossível assistir competições dos circuitos regulares de judô, natação, ginástica e atletismo. Liga-se os canais e é possível assistir um esporte de naendertais como o vale tudo, e também coisas que pouco nos dizem respeito, como o basquete da NBA, o hóckei na NFH, o futebol universitários dos EUA e os campeonatos de futebol de quase todos os países da Europa.

Mas os atletas olímpicos brasileiros a gente só vê se o evento custou baratinho para alguma emissora por assinatura.

Afora também essa necessidade premente e indecifrável de construir heróis, enchem linguiça com bobagens como "as musas" dos jogos X ou "a musa" do campeonato Y, sem contar a proteção visível que a imprensa nacional dá aos clubes de futebol do eixo Rio-SP, além de convidar atletas bonitas a posar nuas para as revistas preferidas dos idiotas, naquela linha de que pouco importa seu desempenho esportivo, desde que mostre as carnes para os babacas se divertirem.

Faço minhas as palavras do Cejunior, no meu primeiro post sobre esse assunto, no inicio desta semana:

Aliás, meu caro Fábio, não está na hora dessa imprensa ufanista começar a cobrar do governo mais apoio, ou melhor, uma política séria para os esportes ?
Ou será que fizeram o ministério dos esportes só para cuidar de loteria ?


É bem isso. A mesma imprensa que tenta criar heróis medalhistas na marra, não explica o que aconteceu com o super-faturamento dos Jogos Pan-Americanos, e pouco divulga a quantidade enorme de dinheiro que se joga fora a cada vez que o Rio de Janeiro se candidata a ser sede de olimpíada.

Se cobrasse mais e todo esse dinheiro torrado para fazer a alegria dos políticos fosse carreado para apoiar nossos atletas olímpicos, certamente o Brasil já seria uma potência esportiva.

Mas a imprensa brasileira prefere viver de escândalos passageiros, "musas", mulheres peladas e nhé-nhé-nhé de torcedores. É mais fácil tirar a roupa de atletas, que dar apoio esportivo... É óbvio que a imprensa não é responsável pelos maus resultados, mas ela contribui para eles na exata medida em que não sabe cobrá-los.

14 de ago de 2008

AS OBVIEDADES NOSSAS DE CADA DIA

Atriz de 5a. categoria posa nua para a revista oficial dos idiotas, empunhando um rosário.

É óbvio que fez de caso pensado para se promover com a indignação dos cristãos, a minha, inclusive.

É um golpe que já está manjado. Não vai demorar, as revistas de fofocas sairão chamando-a de coitadinha perseguida pelos religiosos, mas a bobagem ela fez, e sabia muito bem que ia ofender pessoas.

Falou mais alto a comissão por exemplar da revista em banca, que o bom senso de não atacar a crença das pessoas.

Não sou puritano, quer posar nua e ganhar dinheiro com isso, não tem problema. Mas não brinque com valores sérios, muita gente tem na religião um alento para as vicissitudes da vida, não é justo que a ganância dela ofenda a fé alheia.

Mas o fato é que vai se dizer arrependida e dizer que era apenas uma manifestação artística, mesmo ganhando uns quebrados adicionais com a venda de mais revistas em razão da polêmica.

E a mesma coisa acontece com a Cristiane F. Se um dia ela deixou de se drogar, coisa em que eu não acredito, não voltou agora, mas simplesmente inventou ou divulgou a história para aumentar a venda do livro famoso que, segundo consta, lhe paga bons dividendos e direitos de imagem.

Numa dessas, fatura uns quebrados adicionais com um novo livro e melhora a qualidade da erva que consome.

12 de ago de 2008

A LEI DA ANISTIA E A CONCILIAÇÃO NACIONAL

Quando o presidente João Batista de Oliveira Figueiredo declarou que faria do Brasil uma democracia, ele mesmo sabia que isso não seria uma construção de seu governo. Uma democracia demora décadas para se consolidar, o máximo que ele poderia fazer seria dar os primeiros passos.

Graças à vontade (e coragem) do então presidente, o Congresso aprovou a Lei da Anistia, que teve por função precípua pacificar o país. Foi o passo inicial prometido, contra o qual houve insurgência que culminou com o até hoje não esclarecido caso Rio Centro, em 1981.

Ela teve uma redação ampla que embarcou crimes políticos ou conexos com eles e crimes eleitorais. Graças à esta Lei, retornaram ao Brasil dezenas de lideranças políticas que, mal ou bem, levaram o país a um processo democrático que iniciou-se com a vitória avassaladora da oposição nas eleições de 1982, quando os principais estados da federação passaram a ser governados por outros partidos que não a ARENA.

E tanto a Lei teve caráter conciliatório, que foi aprovada e sancionada pouco depois da posse do então presidente, com tempo suficiente para a volta dos exilados e sua reorganização política para disputar as eleições quase gerais de 2002 (de vereadores a governadores, com renovação de 2/3 do Senado).

Na época, a interpretação dada à Lei da Anistia não vetou absolutamente ninguém de seu benefício, de tal modo que tanto os ditos guerrilheiros quanto os militares que praticaram torturas foram simplesmente retirados da pauta política, para que o país se reorganizasse em bases democráticas e não insistisse em discutir questões que acirrariam os ânimos e levariam a confrontos deletérios ao processo institucional em andamento.

Hoje, porém, existe uma argumentação que crimes políticos são apenas aqueles realizados contra o Estado, o que levaria à possibilidade de punição dos militares que praticaram torturas. Porém, essa interpretação é tão maliciosa e cheia de preconceitos, que seus defensores se calam quando alguém argumenta que uma boa parte dos guerrilheiros da então oposição armada, praticou crimes como assaltos a banco, assassinatos, estupros e até mesmo torturas contra próprios companheiros e terceiros.

O que se tem visto é uma interpretação que pretende punir apenas um lado daquele embate, esquecendo que a questão política de época não foi dicotômica. Com efeito, nem todos os militares envolvidos eram maus, e nem todos os oposicionistas eram bons, mas todos os crimes cometidos por estes agentes naquele processo tiveram por justificativa a manutenção ou a tomada do poder. Independentemente de quem tenha sido vítima, todos os crimes foram contra o Estado, o que a Lei deixa claro ao utilizar o termo "conexos".

E isso porque Estado é um conceito que engloba todos os cidadãos dentro de uma organização política. Dizer que um guerrilheiro que assassinou um comparsa ou um policial não é um criminoso contra o Estado, é o mesmo que argumentar que um torturador teve como vítima apenas o seviciado, quando em verdade, a vítima também é o próprio Estado.

Eu não defendo a tortura, mas o fato é que se o Brasil insistisse na época em julgar militares e guerrilheiros, era alta a probabilidade do processo democrático simplesmente acabar e o Brasil voltar a um regime fechado ou mesmo desandar em uma guerra civil.

Há setores da sociedade brasileira que por absoluto revanchismo, tentam desenterrar esta questão.

Eu entendo que as famílias que perderam entes queridos tenham o clamor da Justiça, mas o Estado brasileiro têm indenizado a maior parte delas, conquanto que não seja justo, a dar indenizações milionárias para as famílias de quem era da oposição da época, e no máximo pensões irrisórias para às dos militares e policiais mortos no conflito, por defenderem o Estado de época.

Quando se pensava que as indenizações (algumas até absurdas, como a deferida a um cartunista) poriam uma pedra sobre o assunto, eis que ele retorna sem que as pessoas lembrem que, sem aquela conciliação, provavelmente não haveria democracia alguma em nosso país.

10 de ago de 2008

SER CAMPEÃO DO MUNDO NÃO É GARANTIA DE MEDALHA OLÍMPICA

Quem viu a ginasta Jade Barbosa chegar a Pequim e ser assediada pela imprensa de um tal modo que chegou às lágrimas, constatou um ufanismo que beira a patologia, especialmente no que diz respeito aos órgãos ligados às Organizações Globo,embora não exclusividade deles.

É verdade que o Brasil enviou a melhor delegação de sua história, com campeões mundiais na ginástica artística e no judô, afora uma série de outros atletas com ótimos resultados nos circuitos de vários esportes, sem contar as consagradas seleções de futebol (masculino e feminino) e voleibol (idem).

A delegação brasileira comprova que mesmo com toda a negligência das autoridades e falta de apoio da sociedade, o esporte no país evolui, dada a dedicação de pessoas que só são lembradas ou nos Jogos Pan-Americanos ou nas olimpíadas, conseguindo resultados importantíssimos e títulos mundiais que elevam o nível das competições e melhoram de modo geral os resultados de nossos atletas.

Porém, em uma boa parte dos esportes olímpicos, o título mundial é importante, mas não é o topo de uma carreira.

Ao contrário do que acontece no futebol, onde a Copa do Mundo representa o máximo que um atleta pode almejar, ou ainda no basquete, onde o topo é um título da NBA, nos demais esportes olímpicos o topo é a olímpíada.

E nela, os atletas dos países mais desenvolvidos no esporte dão tudo, pois toda sua preparação é para aquele momento, enquanto que, no Brasil e em países ainda em desenvolvimento esportivo, a preparação é para cada evento, visando evolução de técnicas e de treinamentos.

O que quero dizer com isso é que essa pressão imensa sobre nossos atletas olímpicos é despropositada.

Querem transformá-los em heróis e quem sabe em vedetes da publicidade, mas esquecem de lembrar que uma olimpíada é uma competição dos melhores entre os melhores, e daí, o que parece ser incentivo descamba para um processo de decepção coletiva que atrasa o nosso esporte.

Um atleta precisa demais de concentração, mas essa é muito difícil de obter quando a cada entrevista vem uma cobrança intrínseca da imprensa, que se por um lado representa os anseios vardadeiros do país, por outro, gera um desconforto por aumentar a responsabilidade em caso de derrota nas quadras.

Esta noite, o judoca João Derly, bi-campeão mundial perdeu as chances de medalha.

Ele é mau atleta?

Não, ele é um ÓTIMO atleta, uma daquelas pessoas que devia ser ídolo no Brasil. É dedicado, técnico e com resultados espetaculares na carreira, mas sobre ele eu ouvi ontem pelo menos 3 comentários de que traria medalha, quando as coisas não são tão simples assim.

E a mesma pressão é imposta à Jade Barbosa, ao Diego Hipólyto, às garotas do volei de praia e a outros tantos.

Uma parte da mídia quer criar heróis, e se esquece que na China e nos EUA, uma delegação olímpica é orçada em bilhões de dólares em patrocínios e ajudas oficiais, além de equipamentos de treinamento e centros de excelência. E que tudo isso converge para a olimpíada.

Seria muito bom se o Brasil tivesse vários Pelés, vários Ayrton Senna ou Nelson Piquet, muitos Ronaldinhos e Gugas, ou ainda mais atletas espetaculares como Hortência, Paula e Marta, Oscar, Gustavo Borges, Aurélio Miguel, João do Pulo, Joaquim Cruz e Ademar Ferreira da Silva.

Mas a realidade não é essa. Não podemos criar na marra centenas de super-astros do esporte, como a imprensa brasileira busca fazer a cada 4 anos. Melhor seria o incentivo menos impositivo, os resultados certamente melhorariam.

O Brasil precisa aprender a criar e valorizar atletas, e não em transformá-los em heróis.

6 de ago de 2008

OTÁRIO!


Eu passo minha vida inteira tentando pagar minhas contas em dia, gastando menos do que ganho, fazendo poupança e me preocupando com o dia de amanhã.

Daí, um dia estou trabalhando calmamente e recebo pelo correio um pacote enorme (esse aí em cima), onde supostamente há um livro e um DVD-ROM, acompanhado de uma nota fiscal, um carnê de pagamentos e um papel de propaganda, dizendo que me foi "dada a oportunidade" de avaliar o produto por 10 dias, podendo devolvê-lo "sem gastar nada" se não aprová-lo.

Detalhes:

1) No papel não há NENHUMA informação de como devolver o produto;
2) Cita um endereço de e-mail de atendimento, e-mail este que não respondeu quando enviei uma mensagem;
3) Não há informação de telefone para contato;
4) E o mais importante, o produto foi enviado sem que eu tivesse pedido!

Meu bom humor vai para as cucúias! Fico puto da cara, esbravejo, chuto o cesto de lixo, mordo o cachorro e dou cabeçadas no batente da porta até que meu irmão identifica o site da empresa que está praticando o golpe e consegue um telefone de contato, que não é 0800!

Tento me acalmar e ligo para lá. Uma mocinha com voz de quem já levou umas trocentas broncas no dia, me informa que está alterando o meu cadastro e que receberei em 10 dias um documento com o qual poderei devolver o produto pelo correio.

Outro detalhe:

Ela certifica-se de que eu não abri a caixa!

Enfim, remessa irregular, procedimento de cobrança abusiva e tentativa de impor a venda, porque ficou cristalino que se eu tivesse aberto a caixa, não poderia devolver o produto. E perda de tempo, MINHA perda de tempo.

Fui obrigado a achar o site da empresa, encontrar o telefone, aguentar o atendimento automático, explicar para a mocinha que não tenho interesse no produto, tirar cópia de toda a papelada que veio com o pacote, afinal, só Deus sabe se meu nome não vai parar no SPC-SERASA por conta de uma palhaçada como essas.

E ainda terei que me dirigir aos correios, cujas filas são sempre enormes e vão me tomar pelo menos uma hora para fazer a devolução, isso se consegui-la, o que ainda duvido.

E ainda por cima a vergonha de constatar viver num país em que pilantras não respeitam nada...

... sem contar que as cabeçadas no batente da porta deixaram uns galos.

PS: Nessas horas, eu queria ter a capacidade que só o Ricardo Rayol tem de esculhambar com gente desse tipo!

5 de ago de 2008

OLIMPÍADAS DA VERGONHA

Eu sempre achei os Jogos Olímpicos verdadeiras festas da humanidade. Um congraçamento entre nações celebrando os melhores valores da raça humana, tais como solidariedade, trabalho em equipe, competitividade, patriotismo e superação.

Muito mais que numa Copa do Mundo, uma olimpíada representa a união dos povos que mandam seus representantes por duas semanas para uma vila olímpica onde todos convivem pacificamente a despeito das guerras e das diferenças raciais, econômicas e religiosas. E competem dentro de uma tradição de "fair play" revelando o lado mais bonito do "bicho" homem.

Quem não lembra dos maratonistas? O etíope que entrou no estádio enfaixado em Munique, 1972 e a suiça, que quase não terminou a prova em Barcelona, 1992? A expressão de dor substituída pela sensação de dever cumprido ao cruzar a faixa final e deixar seu nome marcado não como vencedor, mas como alguém que não desistiu e por isso honrou a si mesmo e ao seu país?

Tudo isso, porém, foi jogado na lata do lixo da história quando escolheram Pequim como sede para os jogos de 2008. Interesses comerciais prevaleceram sobre os esportivos e enviaram a Olimpíada para a China, porque esta é uma super-potência econômica em expansão, mas não por que ela tenha méritos para tanto.

A China é um país que vive uma ditadura sanguinária, que dividiu o país em dois, um rico e opulento para aparecer nos programas de TV pelo mundo afora, outro miserável, onde vige a lei do "manda quem pode, obedece quem tem juízo".

É um país que não observa os mínimos direitos humanos, devasta o meio ambiente sem qualquer tipo de remorso e promove a intolerância política dentro e fora de suas fronteiras. Pratica o mais selvagem e irresponsável capitalismo que se tem notícia, explorando mão-de-obra escrava ou semi-remunerada e a partir disso praticando "dumping" com seus produtos pelo mundo afora, roubando empregos e dignidade em todo o globo com sua concorrência desleal.

Para a candidatura do Rio de Janeiro em sediar uma olimpíada, falou-se que o COI exigiria a despoluição da Baía de Guanabara, além de outros requisitos ambientais, como saneamento básico e criação de parques e praças. Daí vejo as primeiras imagens vindas de Pequim e constato nuvens de fumaça de uma poluição grotesca, muito pior que em qualquer lugar do Brasil, afora tapumes e muros a esconder as partes feias da cidade, isso porque o governo chinês ignorou pura e simplesmente uma boa parte das tarefas a que se comprometeu, sem contar outros fatos, como a violação da liberdade de imprensa e da própria internet, que na China é monitorada.

Pequim-2008 já tem sido comparada a Berlin-1936 e não sem razão. Será um instrumento de propaganda de um regime que pretende adquirir influência global sem qualquer tipo de freio ético, interessado apenas e tão somente em sua perpetuidade. Nos últimos 30 anos, o mundo assistiu a jogos olímpicos com a marca da intolerância entre os países (Moscou-1980 e Los Angeles-1984), mas em nenhum deles se constatou tamanha propaganda política e atos de desprezo por regras consideradas pré-requisitos para sediá-los.

É uma pena que a maior festa da humanidade seja celebrada em um lugar como este.

Vou torcer pelos atletas brasileiros, vou me admirar com os recordes e conquistas dos esportistas do mundo todo que vão distribuir alegria e esperança pelo planeta, mas não vou admirar a China por roubar o brilho dessa festa, como quem rouba empregos ao falsificar produtos e vendê-los a preço vil.

3 de ago de 2008

IMAGENS DE CURITIBA - 10

Temperos exóticos, peixes e aquários, hortifruti- granjeiros, iguarias do Brasil inteiro, pastéis e bolinhos de bacalhau, botecos e lanchonetes, ótimos restaurantes, adegas e confeitarias, cafés do mundo todo, lembranças e presentes. Tudo isso e muito mais, você encontra no MERCADO MUNICIPAL de Curitiba.

Minha história com o Mercado Municipal não começou bem. Acontece que lá se instalava o dentista do meu pai, que passou a ser o meu dentista, isso quando eu tinha 7 anos. Associei o Mercado Municipal a sofrimento e daí não teve jeito, só fui redescobri-lo muitos anos depois como um lugar simpático, cheio de maravilhas da culinária.



É o melhor lugar para quem pretende encontrar lembranças e "souve- nires" de Curitiba.

Ontem, ele completou 50 anos no atual endereço, vez que já passeou pela cidade fazendo as vezes do que hoje é o CEASA. Mas em verdade, com seu comércio variado foi o primeiro "shopping center" de Curitiba. Ao redor dele, cresceu um comércio de iguarias e utilidades, como uma loja especializada em vender óleo de oliva e azeitonas, além de muitas outras, como aviários, cordas e embalagens, vidraçarias, peças de maquinaria e automotivos e agropecuárias.


Mural do grande Poty Lazarotto, homenage- ando mais um espaço de Curitiba.

Horários:

2a. Feira: 7 às 14 horas.
Terças a Sábados: 7 às 18 horas.
DOmingos: 7 às 13 horas.

USO LIVRE NA INTERNET, CITADA A FONTE.
CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIÁ-LAS.

A CONSTITUIÇÃO ESFARRAPADA

Redigida num contexto libertário, onde se queria dar a impressão de que o poder voltara ao povo após o regime militar, e buscando cont...