OLIMPÍADAS DA VERGONHA

Eu sempre achei os Jogos Olímpicos verdadeiras festas da humanidade. Um congraçamento entre nações celebrando os melhores valores da raça humana, tais como solidariedade, trabalho em equipe, competitividade, patriotismo e superação.

Muito mais que numa Copa do Mundo, uma olimpíada representa a união dos povos que mandam seus representantes por duas semanas para uma vila olímpica onde todos convivem pacificamente a despeito das guerras e das diferenças raciais, econômicas e religiosas. E competem dentro de uma tradição de "fair play" revelando o lado mais bonito do "bicho" homem.

Quem não lembra dos maratonistas? O etíope que entrou no estádio enfaixado em Munique, 1972 e a suiça, que quase não terminou a prova em Barcelona, 1992? A expressão de dor substituída pela sensação de dever cumprido ao cruzar a faixa final e deixar seu nome marcado não como vencedor, mas como alguém que não desistiu e por isso honrou a si mesmo e ao seu país?

Tudo isso, porém, foi jogado na lata do lixo da história quando escolheram Pequim como sede para os jogos de 2008. Interesses comerciais prevaleceram sobre os esportivos e enviaram a Olimpíada para a China, porque esta é uma super-potência econômica em expansão, mas não por que ela tenha méritos para tanto.

A China é um país que vive uma ditadura sanguinária, que dividiu o país em dois, um rico e opulento para aparecer nos programas de TV pelo mundo afora, outro miserável, onde vige a lei do "manda quem pode, obedece quem tem juízo".

É um país que não observa os mínimos direitos humanos, devasta o meio ambiente sem qualquer tipo de remorso e promove a intolerância política dentro e fora de suas fronteiras. Pratica o mais selvagem e irresponsável capitalismo que se tem notícia, explorando mão-de-obra escrava ou semi-remunerada e a partir disso praticando "dumping" com seus produtos pelo mundo afora, roubando empregos e dignidade em todo o globo com sua concorrência desleal.

Para a candidatura do Rio de Janeiro em sediar uma olimpíada, falou-se que o COI exigiria a despoluição da Baía de Guanabara, além de outros requisitos ambientais, como saneamento básico e criação de parques e praças. Daí vejo as primeiras imagens vindas de Pequim e constato nuvens de fumaça de uma poluição grotesca, muito pior que em qualquer lugar do Brasil, afora tapumes e muros a esconder as partes feias da cidade, isso porque o governo chinês ignorou pura e simplesmente uma boa parte das tarefas a que se comprometeu, sem contar outros fatos, como a violação da liberdade de imprensa e da própria internet, que na China é monitorada.

Pequim-2008 já tem sido comparada a Berlin-1936 e não sem razão. Será um instrumento de propaganda de um regime que pretende adquirir influência global sem qualquer tipo de freio ético, interessado apenas e tão somente em sua perpetuidade. Nos últimos 30 anos, o mundo assistiu a jogos olímpicos com a marca da intolerância entre os países (Moscou-1980 e Los Angeles-1984), mas em nenhum deles se constatou tamanha propaganda política e atos de desprezo por regras consideradas pré-requisitos para sediá-los.

É uma pena que a maior festa da humanidade seja celebrada em um lugar como este.

Vou torcer pelos atletas brasileiros, vou me admirar com os recordes e conquistas dos esportistas do mundo todo que vão distribuir alegria e esperança pelo planeta, mas não vou admirar a China por roubar o brilho dessa festa, como quem rouba empregos ao falsificar produtos e vendê-los a preço vil.