SER CAMPEÃO DO MUNDO NÃO É GARANTIA DE MEDALHA OLÍMPICA

Quem viu a ginasta Jade Barbosa chegar a Pequim e ser assediada pela imprensa de um tal modo que chegou às lágrimas, constatou um ufanismo que beira a patologia, especialmente no que diz respeito aos órgãos ligados às Organizações Globo,embora não exclusividade deles.

É verdade que o Brasil enviou a melhor delegação de sua história, com campeões mundiais na ginástica artística e no judô, afora uma série de outros atletas com ótimos resultados nos circuitos de vários esportes, sem contar as consagradas seleções de futebol (masculino e feminino) e voleibol (idem).

A delegação brasileira comprova que mesmo com toda a negligência das autoridades e falta de apoio da sociedade, o esporte no país evolui, dada a dedicação de pessoas que só são lembradas ou nos Jogos Pan-Americanos ou nas olimpíadas, conseguindo resultados importantíssimos e títulos mundiais que elevam o nível das competições e melhoram de modo geral os resultados de nossos atletas.

Porém, em uma boa parte dos esportes olímpicos, o título mundial é importante, mas não é o topo de uma carreira.

Ao contrário do que acontece no futebol, onde a Copa do Mundo representa o máximo que um atleta pode almejar, ou ainda no basquete, onde o topo é um título da NBA, nos demais esportes olímpicos o topo é a olímpíada.

E nela, os atletas dos países mais desenvolvidos no esporte dão tudo, pois toda sua preparação é para aquele momento, enquanto que, no Brasil e em países ainda em desenvolvimento esportivo, a preparação é para cada evento, visando evolução de técnicas e de treinamentos.

O que quero dizer com isso é que essa pressão imensa sobre nossos atletas olímpicos é despropositada.

Querem transformá-los em heróis e quem sabe em vedetes da publicidade, mas esquecem de lembrar que uma olimpíada é uma competição dos melhores entre os melhores, e daí, o que parece ser incentivo descamba para um processo de decepção coletiva que atrasa o nosso esporte.

Um atleta precisa demais de concentração, mas essa é muito difícil de obter quando a cada entrevista vem uma cobrança intrínseca da imprensa, que se por um lado representa os anseios vardadeiros do país, por outro, gera um desconforto por aumentar a responsabilidade em caso de derrota nas quadras.

Esta noite, o judoca João Derly, bi-campeão mundial perdeu as chances de medalha.

Ele é mau atleta?

Não, ele é um ÓTIMO atleta, uma daquelas pessoas que devia ser ídolo no Brasil. É dedicado, técnico e com resultados espetaculares na carreira, mas sobre ele eu ouvi ontem pelo menos 3 comentários de que traria medalha, quando as coisas não são tão simples assim.

E a mesma pressão é imposta à Jade Barbosa, ao Diego Hipólyto, às garotas do volei de praia e a outros tantos.

Uma parte da mídia quer criar heróis, e se esquece que na China e nos EUA, uma delegação olímpica é orçada em bilhões de dólares em patrocínios e ajudas oficiais, além de equipamentos de treinamento e centros de excelência. E que tudo isso converge para a olimpíada.

Seria muito bom se o Brasil tivesse vários Pelés, vários Ayrton Senna ou Nelson Piquet, muitos Ronaldinhos e Gugas, ou ainda mais atletas espetaculares como Hortência, Paula e Marta, Oscar, Gustavo Borges, Aurélio Miguel, João do Pulo, Joaquim Cruz e Ademar Ferreira da Silva.

Mas a realidade não é essa. Não podemos criar na marra centenas de super-astros do esporte, como a imprensa brasileira busca fazer a cada 4 anos. Melhor seria o incentivo menos impositivo, os resultados certamente melhorariam.

O Brasil precisa aprender a criar e valorizar atletas, e não em transformá-los em heróis.