IMPRENSA ESPORTIVA JERERECA

Jade Barbosa, assediada pela imprensa por ser jovem, bonita e ter ótimos resultados no circuito internacional de ginástica artística, quando chegou a Pequim assustou-se com o assédio dos repórteres e foi às lágrimas, tamanha o nervosismo causado pela pressão que lhe impõem.

Ontem, numa final em que deveria disputar medalha, de tão nervosa errou feio e caiu duas vezes. Justamente ela, que em competições normais faz apresentações competentes e sempre se classifica entre as primeiras na categoria.

E seu desempenho no torneio por equipes também foi prejudicado, apesar de que, nos dois casos, o Brasil alcançou a melhor posição de sua história.

E todas as vezes que vejo entrevistá-la é invariável, perguntam como será a luta pela medalha, se tem chance de medalha e alguns até lembram a ela dos ótimos resultados no circuito internacional, que a qualificam a ganhar medalha.

Uma pressão injusta e imoral sobre uma menina de 16 anos. Tratam ela, que recebe uma ajuda de custo de fome e treina longe da família a maior parte do tempo, como tratam o Ronaldinho Gaúcho, que quase aos 30 anos de idade, ganha milhões, é conhecido mundialmente e vive como super-astro.

Com esse tipo de atitude tentando criar uma heroína, não há como não prejudicar o desempenho dela.

A imprensa brasileira me enoja quando o assunto é cobertura esportiva.

Nas TV(s) brasileiras, é quase impossível assistir competições dos circuitos regulares de judô, natação, ginástica e atletismo. Liga-se os canais e é possível assistir um esporte de naendertais como o vale tudo, e também coisas que pouco nos dizem respeito, como o basquete da NBA, o hóckei na NFH, o futebol universitários dos EUA e os campeonatos de futebol de quase todos os países da Europa.

Mas os atletas olímpicos brasileiros a gente só vê se o evento custou baratinho para alguma emissora por assinatura.

Afora também essa necessidade premente e indecifrável de construir heróis, enchem linguiça com bobagens como "as musas" dos jogos X ou "a musa" do campeonato Y, sem contar a proteção visível que a imprensa nacional dá aos clubes de futebol do eixo Rio-SP, além de convidar atletas bonitas a posar nuas para as revistas preferidas dos idiotas, naquela linha de que pouco importa seu desempenho esportivo, desde que mostre as carnes para os babacas se divertirem.

Faço minhas as palavras do Cejunior, no meu primeiro post sobre esse assunto, no inicio desta semana:

Aliás, meu caro Fábio, não está na hora dessa imprensa ufanista começar a cobrar do governo mais apoio, ou melhor, uma política séria para os esportes ?
Ou será que fizeram o ministério dos esportes só para cuidar de loteria ?


É bem isso. A mesma imprensa que tenta criar heróis medalhistas na marra, não explica o que aconteceu com o super-faturamento dos Jogos Pan-Americanos, e pouco divulga a quantidade enorme de dinheiro que se joga fora a cada vez que o Rio de Janeiro se candidata a ser sede de olimpíada.

Se cobrasse mais e todo esse dinheiro torrado para fazer a alegria dos políticos fosse carreado para apoiar nossos atletas olímpicos, certamente o Brasil já seria uma potência esportiva.

Mas a imprensa brasileira prefere viver de escândalos passageiros, "musas", mulheres peladas e nhé-nhé-nhé de torcedores. É mais fácil tirar a roupa de atletas, que dar apoio esportivo... É óbvio que a imprensa não é responsável pelos maus resultados, mas ela contribui para eles na exata medida em que não sabe cobrá-los.