ESTRATÉGIAS


O fato de não se declarar candidato não faz de José Serra um não-candidato à presidência.

São muitas as especulações sobre a candidatura dele que, vendo Dilma Roussef em campanha aberta e declarada com o apoio o Presidente da República e a leniência do Tribunal Superior Eleitoral, não vai para as ruas, não aceita o rótulo de postulante e não faz discursos inflamados.

Eu mesmo já escrevi aqui uma matéria sob o título "Reaja ou Desista", avaliando a campanha aberta de Dilma e a hesitação dos tucanos em fazerem o mesmo com seu único candidato viável. Mas eu estava errado, as composições políticas até agora não foram consolidadas e o imobilismo tucano não teve nenhum efeito na campanha.

As especulações sobre Serra são tantas que hoje, Josias de Souza da Folha de S.Paulo insinua que os tucanos estariam sondando Aécio Neves para cabeça de chapa, preservando o governador de São Paulo com sua boa gestão para uma reeleição tranquila na unidade mais importante da federação.

Penso que José Serra é candidato sim. E que se preserva porque as alianças regionais e os apoios políticos terão grande importância nas eleições de 2010, mas serão fechadas na última hora, visto que até agora nem Dilma não às definiu, mesmo em campanha aberta há 6 meses.

Dilma é candidata e cresce nas pesquisas. Ela recebe os louros de ser ungida pelo Presidente da República e ser boa ministra em um governo de inegável sucesso econômico, social e político. No entanto, seu crescimento era esperado, ninguém em sã consciência, muito menos José Serra, esperava uma campanha fácil com 20 pontos percentuais de diferença contra o candidato do governo. Mais cedo ou mais tarde, o presidente escolheria seu candidato e trabalharia por ele, seria ingenuidade demais achar que depois de 20 anos lutando pelo poder, Lula o entregasse de bandeja para a oposição.

Não entendo que a candidatura do governador de São Paulo esteja enfraquecida, muito menos acho que ele hesita. Penso que o quadro simplesmente mudou de outubro para cá, pois sequer a banda governista do PMDB chegou a indicar um vice para a chapa oficial, sinal de que os arranjos partidários não estão assim tão fáceis quanto eu mesmo imaginava em outubro passado.

A campanha mesmo começa no início de abril, o fato é este.
PS: O NETO, nosso colega blogueiro e amigo, tem uma opinião diferente, leia aqui.