COMENTÁRIOS SOBRE A COPA 2014

O clube paranaense dono do estádio de Curitiba anunciou que só cobrirá 30% do custo da obra exigida pela FIFA, deixando os 70% restantes sob a responsabilidade do poder público, visto que seus dirigentes entendem que "não é justo" o clube arcar com custos tão altos por conta de "apenas" 3 ou 4 jogos.

Engraçado é que qualquer pessoa que acompanhe copas do mundo pelo menos desde 1986 sabe que estádios alocados para a tarefa recebem no máximo 6 jogos do evento. Mas agora virou desculpa para ficar de olho grande nos recursos, a fundo perdido, dos cofres públicos.

Bem, a FIFA também não aprova o projeto de reformas do Morumbi em São Paulo, sendo que ontem, o noticiário aventava um "plano B", ou seja, a construção de uma arena completamente nova a um custo proporcional à importância da cidade de São Paulo, algo em torno de R$ 500 ou 600 milhões.

Segundo o que li ontem, a notícia diz que "sairia mais cara" mas resolveria o problema. A questão é saber que problema? E sairia mais cara para quem?
Ora, o São Paulo Futebol Clube já deixou claro que arcará com todos os custos de requalificação do estádio mas, se a arena escolhida for outra, quem vai pagar a conta? Eu mesmo respondo: a União, o Estado e o Município, sendo que pode ser que o Corinthians mande seus jogos lá, tal qual acontece no Pacaembu, que ora o clube alvinegro usa, ora não.

Já no Rio, as obras no Maracanã já começaram de modo tímido (mas começaram!) não sem dois problemas: O primeiro é a necessidade do Flamengo em usar o estádio para a Copa Libertadores, o que vai atrasar o início de adequações internas. O segundo, o custo que, inicialmente previsto de R$ 430 milhões, pulou para R$ 500 e agora já é tido como de R$ 630 milhões. O Brasil foi escolhido em meados de 2007 pra sediar o evento, de lá para cá, o custo do Maracanã subiu em média R$ 80 milhões por ano. Arriscamos chegar em 2014 com obras custando a bagatela de R$ 1 bilhão!

Em Natal, a Arena das Dunas continua no papel, mas seu custo já aumentou 30%. Em Cuiabá, já se fala em dispensas de licitação por urgência e falta de tempo hábil, especialmente para a adequação do novo estádio.

Enfim, absolutamente todos os receios que este blogueiro tinha a opor-se à Copa do Mundo no Brasil estão se concretizando, sem que nenhuma autoridade tome conta disto e pelo menos dê murros na mesa e exija a adequação dos custos e o cuidado com o dinheiro público.

Estamos em 8 de março de 2010, todas as obras de estádios para a Copa 2014 deveriam ter iniciado em fevereiro, mas quase nada foi feito.