AÉCIO NÃO VAI


Não acredito que Aécio Neves saia candidato a vice na chapa de José Serra.

Ele não é o tipo de político que pareça ter disposição para sacrificar-se ao desgaste que o cargo de vice-presidente pode lhe impor, ainda mais na situação de liderança nacional e destaque politico que ele alcançou à frente do governo de Minas Gerais.

O perfil de Aécio sugere que ele será candidato ao Senado e, uma vez dentro da casa, tentará ser presidente do Congresso Nacional (numa vitória de Serra, com auxílio do PMDB fisiologista) voltando ao governo de Minas numa eventual tentativa de reeleição de Serra em 2014 ou até ficando no parlamento até 2018.

Ou seja, sempre no centro do debate político, em posição de destaque, sem esconder-se na sombra de ninguém e não precisando da figura do presidente para sustentar uma candidatura futura.

Aécio sabe que não é um candidato a ser construído como Dilma Roussef, porque tem biografia própria, apesar de jovem.

O fato é que em 2010 Serra joga o tudo ou nada e Aécio tem a possibilidade de uma vaga tranquila no Senado.

Aécio é jovem, articulado e com atributos políticos suficientes para disputar as eleições presidenciais em 2014 com a tranquilidade de ser Senador da República com mais 4 anos e mandato, o que não o alijaria de uma nova tentativa em 2018 ou mesmo sua volta ao governo estadual. Ele teria um cargo, a mídia e a serenidade para escolher seus caminhos.

Já Serra, não necessariamente teria facilidade em reconstruir sua trajetória política, pois o PSDB dificilmente perderá o governo de São Paulo, sendo que quem o ocupa naturalmente é candidato à presidência também. Perdendo as eleições em 2010, ele teria que disputar uma candidatura ao governo estadual contra um Geraldo Alckmin ou Aluísio Nunes (no cargo de governador) e uma presidencial contra um Aécio (ou contra o governador de São Paulo à época) fortalecido por manter-se no centro da arena política. Sobraria a prefeitura de São Paulo mas, será que ele renunciaria de novo 1 ano e 3 meses depois de assumir para alçar vôos maiores? Será que os paulistanos aceitariam isso? Duvido.

Ou seja, com eventual vitória de Serra, Aécio continua em processo de fotalecimento de sua imagem, nem que seja para disputar a presidência em 2018 ou 2022. Serra derrotado em 2010, Aécio continua na mesma toada, talvez com menos holofotes por não chegar à presidência do Congresso, mas de modo contínuo e independente.

Mas bem dito, posso estar errado nisso. Antes do final deste mês teremos o desfecho dessa situação.