Pular para o conteúdo principal

OS JET-SKI DO ANDRÉ BARCINSKI

Na Folha de S.Paulo (leia aqui) , o André Barcinski expôs sua indignação com a morte da garotinha de 3 anos na praia de Guaratuba em Bertioga, afirmando sua antipatia pela máquina jet-ski.

Muita gente escreveu nos comentários, inclusive com o tradicional jeito agressivo que os ignorantes usam quando suas opiniões não são seguidas à risca, que sendo uma máquina, o jet-ski não difere muito do carro ou da moto que geram acidentes e mortes quando pilotados por irresponsáveis. Querem dizer que a situação é a mesma - um piloto irresponsável de jet-ski equivale a um motorista bêbado ou a um motociclista arrojado demais.

Faz sentido, é verdade, mas mesmo assim eu concordo com o Barcinski.

Jet-ski devia ser como avião de caça, tanque de guerra, metralhadora ou canhão, ou seja, de uso exclusivo do Estado, para a Marinha, para uma Guarda-Costeira, para Bombeiros e para Polícia, e só.

É certo que no Brasil existe o componente da impunidade. Um idiota dono de um jet-ski não raro usa-o para exibicionismo e simplesmente ignora qualquer regra básica de segurança, que dizer as regras de bom senso no uso da coisa.

Aliás, é incrível como o bom senso no Brasil anda fora de moda. Qualquer ameba percebe que um garoto de 14 anos não pode sequer acionar um jet-ski ou dirigir um carro, mesmo assim, pais liberam as máquinas com a mesma facilidade que toleram que o filhote encha a cara de álcool e quando perguntados sobre a situação dizem não saber o que fazer ou ter medo de ferir os sentimentos do monstrinho e prejudicar seu desenvolvimento.

Nem pensam que ao dar tudo o que ele quer e aceitar tudo o que ele pensa, já desmontaram o desenvolvimento dele como cidadão, o transformaram em um boçal.

Bom senso é palavrão neste país onde pais pegam filhos na escola em fila tripla e aceitam que eles recebam uma formação altamente consumista em colégios que promovem o exibicionismo com suas coleções de uniformes e acessórios e festas juninas cheias de concursos para eleger o mais isso ou a mais aquilo. O bom senso sucumbiu ante a paranóia de fazer as crianças aparecerem a qualquer custo como as mais belas, as mais elegantes ou as mais descoladas. Dar uma formação coletivista (o que não significa comunista), para que elas aprendam a viver em sociedade sem prejudicar o próximo, nem pensar! Isso, combinado com pais sem pulso e incapazes de legar valores aos seus filhotes, causou essa geração de irresponsáveis que vemos cometendo as piores barbaridades com a desculpa da juventude.

Mas voltando ao jet-ski, o fato da Justiça brasileira ser lerda e elitista, porque é pesada para o pobre e branda para o rico, leva à esta necessidade boba de tirar das mãos da sociedade alguns instrumentos que causam problemas.

Um deles poderia ser o jet-ski. Outro, a título de exemplo, as garrafas long-neck que a rapaziada leva no porta-malas do carro e depois quebra em praça pública legando um problema ambiental além da própria manguaça ao volante!

O jet-ski não é essencial para o dia a dia de quase ninguém. O uso dele ou é por órgãos públicos ou é por exibicionistas, muito raramente trata-se do modo de locomoção de algum ribeirinho. Logo, tirado de circulação, só alivia o mundo de uma oportunidade que os imbecis usam para se mostrarem e se dizerem mais que os outros.

É ruim, concordo, mas é melhor que assistir à toda hora notícias sobre acidentes causados por patetas que a Justiça não coíbe por não ter firmeza de afrontar bons advogados e punir os pares de mesma classe social dos juízes. A verdade é esta, a justiça olha para ricos que tem dinheiro para ter jet-ski, com uma benevolência que não tem para os pobres e principalmente para as vítimas de quem usa uma máquina perigosa e potente como um brinquedo que inclusive pode ser repassado para uma criança mimada de 14 anos.

Pegue todos os jet-ski privados do país e suma com eles, que ninguém vai sentir a diferença. Mesmo os usuários deles vão encontrar outro meio menos perigoso para terceiros de se exibirem como pavões. Não seria a mesma coisa que eliminar todas as motos e automóveis privados, porque isto geraria o caos nos transportes públicos.

É um paliativo. Bobo, é verdade, mas se a gente pensar bem, quer bobeira maior que a epidemia de babaquice, irresponsabilidade e impunidade que vivemos hoje em dia?

Essa história de que a máquina não pode responder pela irresponsabilidade do dono também é relativa. É claro que o Brasil não vai chegar a proibir jet-ski, isso é alegoria que usei para justificar o porquê de concordar com o André Barcinski, mas esse raciocínio não muito inteligente é decorrência da impunidade que permeia todas as relações sociais no Brasil, onde a Justiça não é justa e onde o infrator sempre tenta e não raro consegue transferir sua culpa e responsabilidade para a vítima.

Esse garoto de 14 anos, eventualmente vai ficar uma temporada numa casa de correção e depois voltar aos braços dos pais que alegremente lhe darão um jet-ski novo aos 18 anos. Pelo histórico da Justiça brasileira, é provável que os adultos responsáveis pela tragédia nunca sejam punidos... estou errado?

Postagens mais visitadas deste blog

O DISTRITÃO NÃO SOLUCIONA, MAS É MELHOR DO QUE HÁ HOJE

Existem dois tipos de eleitores no Brasil. O consciente, que vota naquilo que o candidato representa (para o bem ou para o mal), e o conivente, aquele que troca o seu voto por alguma benesse, ignorando as falhas gritantes do candidato.
Aqui, em Rio Branco do Sul, se um indivíduo não gastar no mínimo uns 100 mil reais não tem chance alguma de se eleger vereador. Quando meu pai foi candidato, 40 anos atrás, todo dia tinha fila na porta de casa, de gente pedindo dinheiro, cachaça, carona para ir para Curitiba, traslado para levar a mãe na benzedeira, contribuição para churrasco, material de construção, etc... e isso foi bem além da campanha, uns 10 anos depois ainda tinha gaiato dizendo que votou nele, emendando isso com pedido de trocados para gastar no boteco, e isso que não foi eleito, nem tentou de novo depois.
Moral da história: as campanhas eleitorais não são caras porque os candidatos querem gastar, elas são caras porque boa parte do eleitorado é corrupto e desonesto. E num ambie…

VIRAR PESSOA JURÍDICA PODE PREJUDICAR SUA APOSENTADORIA

Nestes tempos em que se discute com 15 anos de atraso uma reforma previdenciária profunda que ataque um dos dois principais problemas fiscais brasileiros, o déficit crescente do INSS (o outro é a conta absurda de juros), não deixa de ser importante discutir o efeito de transformar o empregado em pessoa jurídica.
Para nós, contabilistas, é o melhor dos mundos. O empregado de certa empresa vira pessoa jurídica, nós recebemos os honorários de tabela e ele ainda desconta 11% (quando somos pessoas físicas) do valor que é nossa contribuição previdenciária. Mas para o ex-empregado as coisas não são assim tão simples.
Quando você aceita virar pessoa jurídica, imediatamente tem de pensar em como ficará sua aposentadoria. Um empregado que ganhe R$ 15 mil mensais, contribui para o INSS pelo máximo da tabela, ou seja, ele está pagando para, quando completar o tempo e a idade, aposentar-se com um valor de aproximadamente R$ 5 mil por mês, talvez um pouco menos dependendo de sua média de contribui…

O ADEUS AO MAIOR DOS COXAS

"...não deixem que o Coritiba caia para a segunda divisão. Faça essa diretoria montar um time forte. Ano que vem o Coritiba completa 100 anos e precisa estar disputando o título brasileiro. Montem um time forte. Pensem grande. Lá do céu vou comemorar junto com vocês... "Abro o Coxanautas e vejo a notícia triste, o falecimento do maior dos Coxas.

Evangelino da Costa Neves, o "Chinês", veio de São Paulo e se apaixonou pelo Coritiba, clube pelo qual praticamente deu sua vida com esforço e dedicação como o de quem constrói o futuro de sua própria familia.

Digo aos meus leitores e lembro aos Coxas mais jovens as grandes conquistas deste homem incomum para nós Coritibanos: Construção do estádio Couto Pereira, Campeão Brasileiro, Campeão do Torneio do Povo(*), Fita Azul na Europa e 12 vezes campeão paranaense. Mais conquistas? Eu posso listar: Dirceu, Kruger, Kosilec, Luis Freire, Eli Carlos, Aladim, Manga, Duílio, Tobi, Tostão, Rafael Camarota, Dida, Edson, etc... é prec…