OS JET-SKI DO ANDRÉ BARCINSKI

Na Folha de S.Paulo (leia aqui) , o André Barcinski expôs sua indignação com a morte da garotinha de 3 anos na praia de Guaratuba em Bertioga, afirmando sua antipatia pela máquina jet-ski.

Muita gente escreveu nos comentários, inclusive com o tradicional jeito agressivo que os ignorantes usam quando suas opiniões não são seguidas à risca, que sendo uma máquina, o jet-ski não difere muito do carro ou da moto que geram acidentes e mortes quando pilotados por irresponsáveis. Querem dizer que a situação é a mesma - um piloto irresponsável de jet-ski equivale a um motorista bêbado ou a um motociclista arrojado demais.

Faz sentido, é verdade, mas mesmo assim eu concordo com o Barcinski.

Jet-ski devia ser como avião de caça, tanque de guerra, metralhadora ou canhão, ou seja, de uso exclusivo do Estado, para a Marinha, para uma Guarda-Costeira, para Bombeiros e para Polícia, e só.

É certo que no Brasil existe o componente da impunidade. Um idiota dono de um jet-ski não raro usa-o para exibicionismo e simplesmente ignora qualquer regra básica de segurança, que dizer as regras de bom senso no uso da coisa.

Aliás, é incrível como o bom senso no Brasil anda fora de moda. Qualquer ameba percebe que um garoto de 14 anos não pode sequer acionar um jet-ski ou dirigir um carro, mesmo assim, pais liberam as máquinas com a mesma facilidade que toleram que o filhote encha a cara de álcool e quando perguntados sobre a situação dizem não saber o que fazer ou ter medo de ferir os sentimentos do monstrinho e prejudicar seu desenvolvimento.

Nem pensam que ao dar tudo o que ele quer e aceitar tudo o que ele pensa, já desmontaram o desenvolvimento dele como cidadão, o transformaram em um boçal.

Bom senso é palavrão neste país onde pais pegam filhos na escola em fila tripla e aceitam que eles recebam uma formação altamente consumista em colégios que promovem o exibicionismo com suas coleções de uniformes e acessórios e festas juninas cheias de concursos para eleger o mais isso ou a mais aquilo. O bom senso sucumbiu ante a paranóia de fazer as crianças aparecerem a qualquer custo como as mais belas, as mais elegantes ou as mais descoladas. Dar uma formação coletivista (o que não significa comunista), para que elas aprendam a viver em sociedade sem prejudicar o próximo, nem pensar! Isso, combinado com pais sem pulso e incapazes de legar valores aos seus filhotes, causou essa geração de irresponsáveis que vemos cometendo as piores barbaridades com a desculpa da juventude.

Mas voltando ao jet-ski, o fato da Justiça brasileira ser lerda e elitista, porque é pesada para o pobre e branda para o rico, leva à esta necessidade boba de tirar das mãos da sociedade alguns instrumentos que causam problemas.

Um deles poderia ser o jet-ski. Outro, a título de exemplo, as garrafas long-neck que a rapaziada leva no porta-malas do carro e depois quebra em praça pública legando um problema ambiental além da própria manguaça ao volante!

O jet-ski não é essencial para o dia a dia de quase ninguém. O uso dele ou é por órgãos públicos ou é por exibicionistas, muito raramente trata-se do modo de locomoção de algum ribeirinho. Logo, tirado de circulação, só alivia o mundo de uma oportunidade que os imbecis usam para se mostrarem e se dizerem mais que os outros.

É ruim, concordo, mas é melhor que assistir à toda hora notícias sobre acidentes causados por patetas que a Justiça não coíbe por não ter firmeza de afrontar bons advogados e punir os pares de mesma classe social dos juízes. A verdade é esta, a justiça olha para ricos que tem dinheiro para ter jet-ski, com uma benevolência que não tem para os pobres e principalmente para as vítimas de quem usa uma máquina perigosa e potente como um brinquedo que inclusive pode ser repassado para uma criança mimada de 14 anos.

Pegue todos os jet-ski privados do país e suma com eles, que ninguém vai sentir a diferença. Mesmo os usuários deles vão encontrar outro meio menos perigoso para terceiros de se exibirem como pavões. Não seria a mesma coisa que eliminar todas as motos e automóveis privados, porque isto geraria o caos nos transportes públicos.

É um paliativo. Bobo, é verdade, mas se a gente pensar bem, quer bobeira maior que a epidemia de babaquice, irresponsabilidade e impunidade que vivemos hoje em dia?

Essa história de que a máquina não pode responder pela irresponsabilidade do dono também é relativa. É claro que o Brasil não vai chegar a proibir jet-ski, isso é alegoria que usei para justificar o porquê de concordar com o André Barcinski, mas esse raciocínio não muito inteligente é decorrência da impunidade que permeia todas as relações sociais no Brasil, onde a Justiça não é justa e onde o infrator sempre tenta e não raro consegue transferir sua culpa e responsabilidade para a vítima.

Esse garoto de 14 anos, eventualmente vai ficar uma temporada numa casa de correção e depois voltar aos braços dos pais que alegremente lhe darão um jet-ski novo aos 18 anos. Pelo histórico da Justiça brasileira, é provável que os adultos responsáveis pela tragédia nunca sejam punidos... estou errado?