OS BOÇAIS

A imagem é do www.icaranews.com.br


Parece que boas maneiras são coisa do passado.

Tenho visto na praça aqui em frente de casa, desde menininhas de 12 anos até indivíduos maduros bebendo álcool sem parar em praça pública, divertindo-se em berrar, em quebrar garrafas na calçada, em vandalizar equipamentos públicos, em arranjar brigas, em impedir o trânsito e especialmente em gozar da cara de quem ousa implorar para que diminuam um pouco o volume do som que sai de seus carros, que as vezes não têm nem faróis de freio, o que demonstra o quanto as autoridades se preocupam com o problema.

E a impressão que fica, é que fazem sucesso entre mulheres (se bem que me recuso a classificar meninas de 12 a 18 anos como mulheres, por mais que as que apareçam aqui em frente de casa ajam e se vistam como cortesãs de beira de cais) os homens que se exibem desse jeito, sempre de chapéu atolado, sem camisa, com a lata ou garrafa long-neck de cerveja nas mãos e aquele eterno sorriso de idiota que todo bêbado inútil que se preza ostenta.

E quando não são cowboys, são os vileiros tocando funk (em volume insuportável também), vestidos como esquimós no calor de 35 graus, mas agindo igualmente, com a diferença de que preferem beber cachaça, o que não diminui o incômodo que causam.

Isso explica ou é explicado por coisas que se ouvem ao ligar o rádio: "você diz que não me ama, mas no fundo paga pau!" ou ainda, "beber, cair e levantar" ou, ainda, "tapinha não dói". Manifestações da boçalidade pura e simples que atormenta o país na esteira do paternalismo excessivo do Estado, do sexismo exagerado nos meios de comunicação, do sistema educacional leniente e sem disciplina e da omissão de pais e mães que colocam filhos no mundo mas não se importam que eles fiquem nas ruas andando sem rumo.

Os boçais nunca foram tão poderosos. São astros da música e da TV, exibem-se impunes em qualquer lugar, e o pior de tudo é que eles gostam de violência e baderna, o que explica em parte os índices desastrosos de violência urbana deste país.