131 DIRETORES



Tá no portal UOL/Folha de S.Paulo de hoje:

"Sarney ordena destituição de todos os diretores do Senado"

E no texto, se constata que 131 diretores deverão apresentar suas cartas de demissão.

Não vou abordar a questão do ponto de vista do presidente do Senado. Há alguma questão política envolvida, mas não foi isso que me chamou a atenção, embora, em política, qualquer fumaça é sinal de catástrofe.

Mas voltando ao meu comentário, me responda o leitor se souber:

Você conhece alguma instituição privada, qualquer uma, que tenha algo em torno de 10000 colaboradores e 131 diretores?

Uma instituição privada, seja empresa, seja associação ou fundação com 131 diretores muito bem remunerados e cheios de mordomias como são os do Senado, não conseguiria se manter em face da exigência natural de viabilidade financeira e competência. Seria cacique demais e índio de menos e quem trabalha duro e administra margens de lucro pequenas e orçamentos apertados, não pode se dar um luxo como este.

No Senado isso só acontece porque a entidade não depende de verbas ou, melhor, não depende de arrecadá-las, pois o repasse do orçamento da União é sempre generoso e, independentemente de crise, aumenta em percentuais reais absolutamente todos os anos.

É uma farra, uma verdadeira orgia tal qual a retratada por Diogo Rivera na imagem que ilustra o post. Esse número absurdo e catastrófico de diretorias é uma moeda de troca eleitoral, um agrado para os doutos integrantes da mesa, que podem se fartar em indicar cupinchas e apaniguados, muitos deles a fazer carreira dentro da instituição e quem sabe, se auto presenteando com apartamentos funcionais baratinhos ou mansões não declaradas ao imposto de renda.

E o pior de tudo, caro leitor: sai do meu, do seu, do nosso bolso...

Update: Já me disseram que de 131, passou para 136 e depois disso, para mais de 180. Como sempre, é pior do que se pensa.