Pular para o conteúdo principal

PRÓS E CONTRAS SOBRE O GOVERNADOR DO PARANÁ

Por mais que eu seja oposição e não goste dele, não posso deixar de dizer que Roberto Requião do Mello e Silva, governador do Paraná, tem uma folha de serviços pelo estado. Ninguém se elege governador três vezes sem méritos, e isso deve ser ressaltado ao tratar da figura polêmica do atual ocupante do Palácio Iguaçú.

Foi bom governador nas gestões 1991/1994 e 2003/2006, marcadas por rigor administrativo-fiscal, controle das contas públicas e gestões tributárias eficientes. Eu mesmo votei nele em duas ocasiões. Em 2002 porque o segundo mandato de Jaime Lerner foi horroroso e não fez absolutamente nada pela região onde vivo. E em 2006, porque ele, Requião, cumpriu a promessa velada feita na frente da minha casa, de recapar a PR-092 e asfaltá-la entre Rio Branco do Sul e Cerro Azul no seu segundo mandato.

Foi um deputado estadual combativo e fiscalizador, e um senador atuante.

Tem algumas virtudes difíceis de encontrar nos políticos brasileiros, como a oratória, a boa cultura e formação acadêmica e conhecimento de administração pública, tanto em teoria quanto na prática.

Porém, tem aparecido na mídia nacional nas últimas semanas à guisa da suposta censura por parte da Justiça, mais especificamente uma decisão proferida pelo desembargador-federal da 4ª Região, Edgard Antonio Lippmann Junior, contra quem, em represália, o governador insinuou numa entrevista à Folha de S.Paulo o crime de vender sentenças.

Requião se acha censurado por não poder utilizar a TV Educativa para atacar seus adversários, que são muitos e cuja lista nunca pára de crescer, uma vez que ele não admite qualquer alusão a defeitos de sua paralisada terceira gestão à frente do estado do Paraná.

Diz que não tem espaço na mídia e obriga-se a usar a TV Educativa como único órgão que lhe restou para para apresentar as suas versões para os muitos fatos noticiados sobre seu governo, bem como prestar contas de suas realizações.

Contra o Judiciário a briga já é antiga, vêm desde o primeiro mandato, porque o governador simplesmente acostumou-se a não cumprir decisões judiciais, especialmente as de reintegração de posse de invasões do MST, que no Paraná tem trânsito livre inclusive para fechar e vandalizar praças de pedágio.

Já o Ministério Público é inimigo porque ousa discutir o nepotismo no governo estadual, onde 8 parentes próximos ao governador ocupam altos cargos administrativos, mas o número de familiares chega a mais de 40, considerando também os cargos de segundo escalão.

Outra reclamação do governador, é sobre uma suposta perseguição implacável contra o superintendente do Porto de Paranaguá, seu irmão Eduardo.

Nesse caso, em defesa dos Requião, deve-se dizer que eles têm razão ao reclamar da RPC (Rede Globo local) que, ao noticiar a fila de caminhões para o desembarque de soja na época da colheita, usou imagens de arquivo e inflou o problema que se repete todos os anos, mas não é tão grave quanto o noticiado.

Mas isso não significa que o porto não tenha problemas, até porque perdeu clientela e movimento, ao não aceitar exportar produtos transgênicos, não modernizar a área de containeres e postergar indefinidamente as obras de aumento da calha e dragagem do Canal da Galheta, sem as quais os navios de grande porte não poderão mais operar ali.

E as concessionárias de pedágio são objeto de eterna diatribe, mesmo tendo a recentemente demissionária ex-procuradora geral do Estado, Josélia Nogueira Broliani, declarado em alto e bom som que ainda não houve acordo com elas para reduzir as tarifas apenas e tão somente porque o governador prefere manter a discussão.

Vejam, não foi foi a imprensa, nem o MP e muito menos o Judiciário que sugeriu a declaração da ex-assessora de confiança de Requião, e que saiu às turras do governo, tal qual o procurador-geral anterior, Sergio Botto de Lacerda e também uma terceira figura de proa da segunda gestão, o ex-governador Paulo Pimentel, que foi o presidente da COPEL que reergueu a companhia, tornando-a uma das maiores energéticas do país (com méritos também para o governador, sejamos justos) mas que saiu do governo pondo seus jornais em claro e imediato oposicionismo.

E também não se pode dizer que o governador não tem espaço na mídia, quando o estado carreia as verbas estaduais de publicidade apenas para veículos que nunca criticam a administração pública, muito embora de repercussão mínima ou inexistente.

O jornal HoraH de Curitiba, ligado ao PMDB e ao MR-8, e a TV Exclusiva, receberam gordas verbas publicitárias, que chegam a ser desproporcionais às suas repercussão, tiragem e audiência. Mas eles dão o espaço quando e como o governador queira, de tal maneira que nem mesmo há censura sobre um suposto dossiê contra o juiz Lippmann, que tais órgãos fizeram questão de divulgar.

Se parte da mídia lhe tem má vontade e foi injusta em um dos aspectos do porto, ela não inventou os problemas que o afligem, como o caso das TV laranjas, uma licitação em que o estado adquiriu TV(s) de uma empresa que vende móveis escolares e de escritório, e que coincidentemente foi a maior doadora de recursos para a campanha do PMDB em 2006.

O preço unitário das TV(s) vendidas ao governo, foi comprovadamente superior ao encontrado em lojas de eletrodomésticos, mesmo com o negócio contando com isenção do ICMS e em grande quantidade, o que deveria baixar sensivelmente o preço final unitário. Os documentos foram trazidos à baila pela oposição, mas são oficiais, não foram forjados por jornais e TV(s).

A reclamação de ser ignorado cai por terra justamente em situações como esta, em que o governador é manchete de todos os grandes órgãos de comunicação do estado e ainda por cima recebe espaço na Folha de S.Paulo, órgão de imprensa que certa feita ele classificou de "jornalão de direita", mas onde teve espaço para disparar a grave insinuação supra citada.

Logo, tanto quanto a mídia não ignora o governador, censura não há, até porque esta se caracteriza como ato de arbitrariedade e contra legem, o que não ocorre numa decisão judicial que determina o uso de um bem público, a TV Educativa, para os fins para os quais foi criada, o que não inclui o uso proselitista por governante.

Censura seria lacrar a TV Exclusiva ou apreender as tiragens do jornal HoraH, coisa que a Justiça não fez.

Com efeito, o governador não está impedido de dar entrevistas (como deu à Folha) ou de pagar publicidade oficial para esclarecer questões relativas à sua administração.

Ele não sofre censura. O problema é que seu terceiro mandato é marcado por discussões estéreis, falta de foco e reclamação excessiva contra a imprensa, decorrente do fato do governador atribuir a ela sua vitória por apenas 10 mil votos nas eleições de 2006.

Até hoje, parece que o governador não se conforma que venceu.

Postagens mais visitadas deste blog

O DISTRITÃO NÃO SOLUCIONA, MAS É MELHOR DO QUE HÁ HOJE

Existem dois tipos de eleitores no Brasil. O consciente, que vota naquilo que o candidato representa (para o bem ou para o mal), e o conivente, aquele que troca o seu voto por alguma benesse, ignorando as falhas gritantes do candidato.
Aqui, em Rio Branco do Sul, se um indivíduo não gastar no mínimo uns 100 mil reais não tem chance alguma de se eleger vereador. Quando meu pai foi candidato, 40 anos atrás, todo dia tinha fila na porta de casa, de gente pedindo dinheiro, cachaça, carona para ir para Curitiba, traslado para levar a mãe na benzedeira, contribuição para churrasco, material de construção, etc... e isso foi bem além da campanha, uns 10 anos depois ainda tinha gaiato dizendo que votou nele, emendando isso com pedido de trocados para gastar no boteco, e isso que não foi eleito, nem tentou de novo depois.
Moral da história: as campanhas eleitorais não são caras porque os candidatos querem gastar, elas são caras porque boa parte do eleitorado é corrupto e desonesto. E num ambie…

VIRAR PESSOA JURÍDICA PODE PREJUDICAR SUA APOSENTADORIA

Nestes tempos em que se discute com 15 anos de atraso uma reforma previdenciária profunda que ataque um dos dois principais problemas fiscais brasileiros, o déficit crescente do INSS (o outro é a conta absurda de juros), não deixa de ser importante discutir o efeito de transformar o empregado em pessoa jurídica.
Para nós, contabilistas, é o melhor dos mundos. O empregado de certa empresa vira pessoa jurídica, nós recebemos os honorários de tabela e ele ainda desconta 11% (quando somos pessoas físicas) do valor que é nossa contribuição previdenciária. Mas para o ex-empregado as coisas não são assim tão simples.
Quando você aceita virar pessoa jurídica, imediatamente tem de pensar em como ficará sua aposentadoria. Um empregado que ganhe R$ 15 mil mensais, contribui para o INSS pelo máximo da tabela, ou seja, ele está pagando para, quando completar o tempo e a idade, aposentar-se com um valor de aproximadamente R$ 5 mil por mês, talvez um pouco menos dependendo de sua média de contribui…

O ADEUS AO MAIOR DOS COXAS

"...não deixem que o Coritiba caia para a segunda divisão. Faça essa diretoria montar um time forte. Ano que vem o Coritiba completa 100 anos e precisa estar disputando o título brasileiro. Montem um time forte. Pensem grande. Lá do céu vou comemorar junto com vocês... "Abro o Coxanautas e vejo a notícia triste, o falecimento do maior dos Coxas.

Evangelino da Costa Neves, o "Chinês", veio de São Paulo e se apaixonou pelo Coritiba, clube pelo qual praticamente deu sua vida com esforço e dedicação como o de quem constrói o futuro de sua própria familia.

Digo aos meus leitores e lembro aos Coxas mais jovens as grandes conquistas deste homem incomum para nós Coritibanos: Construção do estádio Couto Pereira, Campeão Brasileiro, Campeão do Torneio do Povo(*), Fita Azul na Europa e 12 vezes campeão paranaense. Mais conquistas? Eu posso listar: Dirceu, Kruger, Kosilec, Luis Freire, Eli Carlos, Aladim, Manga, Duílio, Tobi, Tostão, Rafael Camarota, Dida, Edson, etc... é prec…