Pular para o conteúdo principal

O FIM-DA-PICADA


Nos campos nazistas de concentração, milhões de judeus foram torturados e mortos a sangue frio.

Destituídos de agasalhos, praticavam trabalhos forçados em temperaturas abaixo de zero. Dormiam em catres infestados de piolhos e outros insetos, comiam algo pior que uma lavagem que não se dá nem para porcos, eram usados em experimentos científicos cruéis e muitos imploravam pela morte que os nazistas, por maldade e desumanidade não deferiam. Na mínima tentativa de buscar alento em Deus e em sua religião, ou eram punidos com ainda mais crueldade ou tinham algum amigo ou familiar seviciado para lhes mostrar o dever de obediência cega a seus verdugos.

Se isso tivesse acontecido na Idade Média não causaria tanto choque. Mas aconteceu no século XX, em um país culturalmente desenvolvido, terra de poetas como Goethe, de cientistas como Einstein e músicos como Beethoven, Mozart e Bach, onde já se praticava (apenas em teoria, é verdade) a separação do Estado e da igreja e, portanto, deveria ser um lugar de tolerância religiosa e racial.

No mundo inteiro, o Holocausto é um fato da história que causa vergonha a qualquer ser humano com um mínimo de inteligência, porque foi a representação física da maldade e dos instintos mais selvagens do homem.

É uma ferida purulenta da história que deve ser lembrada para fazer todo o ser humano baixar a cabeça e pensar nos limites da crueldade e da loucura de regimes políticos e estados latentes das sociedades. Mais que isso, deve ser lembrado e seguir-se de um pedido de perdão a Deus porque a humanidade inteira foi responsável ao se omitir ante a sabida loucura daqueles que perpetraram essa ofensa à Ele no corpo de milhões de Seus filhos.

Mas no Brasil, onde tudo é motivo de piada e nada é levado à sério, por que alguém não pensaria em se exibir aproveitando o desespero de milhões de pessoas, como o carnavalesco da Escola de Samba Viradouro, que pretende sair na avenida com um carro alegórico chamado "Holocausto"?

Isso me dá engulhos e vontade de vomitar, ainda mais quando o tal carnavalesco ainda teve o desplante de dizer que o carro não terá destaques e se ninguém sambar em cima, não é ofensivo e não tem problema.

Quer dizer que não é ofensivo lembrar do massacre em meio de um monte de gente nua ou seminua sambando, a bateria bombando e o povão pulando na arquibancada?

Se isso não é ofensivo, então as funerárias devem começar a contratar conjuntos de Axé Music para tocar nos enterros, com direito inclusive a dançarinas quase sem roupa e letras como a boquinha da garrafa.

É uma vergonha e um despropósito de proporções monumentais porque a dramática falta de educação e cultura do brasileiro médio, especialmente do povo que assiste desfiles de escola de samba e frequenta bailes carnavalescos não tem a menor idéia do que foi o holocausto, sem contar aqueles néscios que existem em todo o lugar, que usando de piadas e clichês sobre judeus, ainda defendem o nazismo.

Um carro assim, a ser apresentado em um desfile cujas imagens vão ser divulgadas no mundo inteiro, vai dar a impressão de que o Brasil faz troça do sofrimento alheio, razão pela qual não combate à contento a violência que existe por aqui.

Muito pior que isso vai passar a impressão errada para milhares de brasileiros analfabetos e desaculturados, de que o Holocausto foi algo tão insignificante que pode até ser citado por uma escola de samba para divertir as pessoas na festa "alegre" do carnaval.

Não dá pra dizer que chegamos no fundo do poço da ignorância brasileira, porque ela sempre nos surpreende. Antigamente as pessoas desfilavam na avenida em fantasias elegantes, mas a partir do advento da TV e do vale tudo pela audiência, as fantasias foram substituídas pelos seios nus e calcinhas lantejouladas ou simples tapa-sexo de modelos e atrizes burras, prática que já está chegando também aos corpos masculinos, afinal, mulher também assiste TV e também turbina a audiência.

Nas TV(s) mais pobres, o negócio é faturar em cima da promiscuidade de gente bêbada e drogada que se exibe em frente das câmeras sob a suposta desculpa da "alegria" da ocasião, mostrando para o Brasil inteiro não apenas os seus corpos e órgãos sexuais, mas sua falta de educação, de cultura e mesmo de vergonha na cara, entremeada a vadiagem institucionalizada com entrevistas estúpidas com pseudo-celebridades.

Transformaram o carnaval numa festa de prostitutas e cafetões que faturam alto em verbas publicitárias e em comissões de contratos futuros de "modelos e atrizes" ou "modelos e atores".

Será que já não bastava isso? Até aí seria suportável porque basta desligar a TV, atravessar a rua na porta dos bailes carnavalescos.

Mas não, essa gente nunca está satisfeita enquanto não atrair os holofotes para seus atos tresloucados. O negócio agora é atrair ainda mais audiência chocando o ofendendo as pessoas, suas crenças e suas tragédias pessoais.

Anos atrás o carnavalesco Joãozinho Trinta achou ruim que a Justiça o impediu de por na avenida uma imagem do Cristo Redentor envolto em lixo. Eu pensava que nunca mais o carnaval desceria tão baixo. Estava enganado... Deus queira que as autoridades não deixem esse carro desfilar, pouco me importa se terá palermas dizendo que é censura.

Postagens mais visitadas deste blog

O DISTRITÃO NÃO SOLUCIONA, MAS É MELHOR DO QUE HÁ HOJE

Existem dois tipos de eleitores no Brasil. O consciente, que vota naquilo que o candidato representa (para o bem ou para o mal), e o conivente, aquele que troca o seu voto por alguma benesse, ignorando as falhas gritantes do candidato.
Aqui, em Rio Branco do Sul, se um indivíduo não gastar no mínimo uns 100 mil reais não tem chance alguma de se eleger vereador. Quando meu pai foi candidato, 40 anos atrás, todo dia tinha fila na porta de casa, de gente pedindo dinheiro, cachaça, carona para ir para Curitiba, traslado para levar a mãe na benzedeira, contribuição para churrasco, material de construção, etc... e isso foi bem além da campanha, uns 10 anos depois ainda tinha gaiato dizendo que votou nele, emendando isso com pedido de trocados para gastar no boteco, e isso que não foi eleito, nem tentou de novo depois.
Moral da história: as campanhas eleitorais não são caras porque os candidatos querem gastar, elas são caras porque boa parte do eleitorado é corrupto e desonesto. E num ambie…

VIRAR PESSOA JURÍDICA PODE PREJUDICAR SUA APOSENTADORIA

Nestes tempos em que se discute com 15 anos de atraso uma reforma previdenciária profunda que ataque um dos dois principais problemas fiscais brasileiros, o déficit crescente do INSS (o outro é a conta absurda de juros), não deixa de ser importante discutir o efeito de transformar o empregado em pessoa jurídica.
Para nós, contabilistas, é o melhor dos mundos. O empregado de certa empresa vira pessoa jurídica, nós recebemos os honorários de tabela e ele ainda desconta 11% (quando somos pessoas físicas) do valor que é nossa contribuição previdenciária. Mas para o ex-empregado as coisas não são assim tão simples.
Quando você aceita virar pessoa jurídica, imediatamente tem de pensar em como ficará sua aposentadoria. Um empregado que ganhe R$ 15 mil mensais, contribui para o INSS pelo máximo da tabela, ou seja, ele está pagando para, quando completar o tempo e a idade, aposentar-se com um valor de aproximadamente R$ 5 mil por mês, talvez um pouco menos dependendo de sua média de contribui…

O ADEUS AO MAIOR DOS COXAS

"...não deixem que o Coritiba caia para a segunda divisão. Faça essa diretoria montar um time forte. Ano que vem o Coritiba completa 100 anos e precisa estar disputando o título brasileiro. Montem um time forte. Pensem grande. Lá do céu vou comemorar junto com vocês... "Abro o Coxanautas e vejo a notícia triste, o falecimento do maior dos Coxas.

Evangelino da Costa Neves, o "Chinês", veio de São Paulo e se apaixonou pelo Coritiba, clube pelo qual praticamente deu sua vida com esforço e dedicação como o de quem constrói o futuro de sua própria familia.

Digo aos meus leitores e lembro aos Coxas mais jovens as grandes conquistas deste homem incomum para nós Coritibanos: Construção do estádio Couto Pereira, Campeão Brasileiro, Campeão do Torneio do Povo(*), Fita Azul na Europa e 12 vezes campeão paranaense. Mais conquistas? Eu posso listar: Dirceu, Kruger, Kosilec, Luis Freire, Eli Carlos, Aladim, Manga, Duílio, Tobi, Tostão, Rafael Camarota, Dida, Edson, etc... é prec…