O CARRO USADO VIROU MICO ATÉ PARA A SOCIEDADE

O brasileiro se acostumou a trocar de carro colocando o veículo antigo no negócio como entrada. Assim tem sido durante décadas, mas parece que agora a situação está mudando em vista da facilidade de adquirir carros zero quilômetro.

Dias atrás eu estava em um feirão, porque uma pessoa próxima pretende trocar de carro e queria aproveitar o desconto do IPI. Fora o vendedor safado que queria vender um carro por um valor 4 mil reais mais alto que o da publicidade, o que me chamou a atenção foi o fato dele reclamar do estoque altíssimo de carros usados que implicava oferecer um valor (bem) baixo para o veículo que entraria no negócio.

É a tal coisa, nessas horas vemos como funciona a ganância do empresário brasileiro. Se o leitor pesquisar bem pela internet, pela tabela FIPE ou mesmo nas lojas de carros usados, verá que o preço deles cai na hora da compra pela concessionária mas, apesar do mercado não lhes ser favorável, não cai na hora da revenda (embora com a redução do IPI isso tenha acontecido para evitar paralisação total do mercado). 

O resultado é simples, na hora de comprar ou trocar de carro o consumidor naturalmente busca o carro zero, porque tudo nele é em tese mais barato, se bem que no final das contas, se colocar veículo usado no negócio, a vantagem será nenhuma.

Não sei se existe quem conte com a distração do consumidor em pesquisar, mas o que se pode ver é carro usado custando mais que carro zero quase igual. E daí os empresários reclamam de seus pátios cheios de veículos e do aluguel que pagam para manter essa estrutura. Mesmo assim, eu pelo menos entendo que não se pode dizer que isso seja uma característica do mercado ou uma situação pontual dele.

Em um mercado saturado de veículos novos, o carro usado naturalmente tem que perder valor e o comerciante por sua vez, tem que ter sua margem de lucro diminuída. Se é justo que as concessionárias recebam veículos usados por valores inferiores ao de mercado e ao da tabela FIPE, por outro lado não é coerente deixar os pátios lotados de veículos que geram custos de manutenção e não oferecê-los por um valor mais acessível ao consumidor mantendo intacto o percentual de lucratividade ou mesmo brigar para que as taxas de juros nesta operações sejam idênticas às do negócio que envolve veículo novo.

Sobre as taxas de juros então não há razão lógica para serem diferenciadas, se o "spread" é determinado pelo risco da operação, se mantida a proporcionalidade de valor, este é exatamente o mesmo para carro novo ou usado, porque o valor financiado é tão menos quanto o valor da garantia, o próprio carro. Se a taxa de juros para adquirir carro usado é maior que a de carro novo, isso é parte da estratégia de marketing das companhias automobilísticas, para quem o carro já não é mais sua responsabilidade uma vez usado por alguém, por mais que carregue sua marca, elas impõe o fato de serem um gigante competindo contra pequenas lojas de veículos multimarcas.

O que parece que os empresários e mesmo as autoridades não percebem é que esse estoque gigantesco de automóveis, se já não está gerando problemas, vai começar a gerá-los. Alguém já parou para pensar no ônus ambiental de um carro parado em um pátio por meses a fio? Ou ainda, no desperdício de recursos naturais que representa um estoque colossal de veículos parados ao passo em que, para produzir mais máquinas novas extrai-se minério de ferro, se produz aço e se gastam outros diversos recursos naturais? 

O Brasil não tem planos de reciclagem desses veículos. Ainda estamos na fase dos ferro-velhos que acumulam estoques mas não se preocupam em efetivamente reciclar peças, armazenando-as em boas condições e recolocando-as no comércio. Por aqui, o veículo fica no ferro velho até ser depenado e quando sobrar apenas a carcaça, se sobrar apenas a carcaça, terá o aço encaminhado para ser derretido e reutilizado. Se as montadoras fossem obrigadas a reciclar um percentual dos veículos que colocam para rodar, e se os impostos fossem progressivos para veículos cada vez mais velhos e sem condições ideais de rodagem, talvez seria possível retirar um percentual relevante de carros velhos das ruas e diminuir o problema da estocagem de outros tantos veículos que os substituiriam. 

O que não pode é carro usado ser vendido a preço de carro zero e os estoques aumentarem exponencialmente gerando um risco ambiental dessa magnitude para a sociedade. Não se trata apenas de uma questão comercial ou mesmo do sonho de consumo de uma pessoa, o carro é um item de consumo que não pode ficar parado e que exige que as autoridades compreendam o grave problema que ele encerra, que vai muito além dos engarrafamentos das grandes cidades.