LAZER EM DEPOSITOS DE FERRO VELHO




A manchete do G1, refere-se a um acidente em um parque de diversões, onde morreu uma adolescente.

Depois do acidente constataram que o tal parque não tinha alvará municipal e que os laudos de segurança não tinham nenhum rigor analítico sobre o verdadeiro estado de conservação daquelas coisas montadas sobre caçambas de caminhão.

Todas as vezes que um parque desses se instala aqui na minha cidade escrevo a mesma coisa: que é preciso cuidado, de que essas estruturas metálicas são montadas e desmontadas 15 vezes ao ano, de que nem sempre elas são vistoriadas por bombeiros, etc...

Na última vez que isso aconteceu, pedi informações por escrito para a prefeitura (sobre o alvará), para o Ministério Público (sobre o barulho que aquela porcaria causava e os horários inadequados) e para os bombeiros (sobre a segurança dos equipamentos).

Ninguém, absolutamente ninguém vistoriou o tal parque e ainda houve riobranquenses que disseram que eu estava atrapalhando o divertimento do povo, que consistia basicamente em usar aqueles brinquedos e depois ficar até as duas da madrugada bebendo álcool em praça pública com os filhos a tiracolo, tratando de impedir o sono dos pobres coitados que viviam em volta do local onde se instalou aquele lixo de suposta diversão.

A única providencia tomada por alguém foi pontual: um bombeiro foi até o estabelecimento entregar uma guia referente a taxa de vistoria. A guia provavelmente foi paga, mas a vistoria não foi feita, até porque não se faz isso sem uma equipe de pessoas que efetivamente confira o funcionamento de eixos, de conexões metálicas, de motores elétricos, etc... como eu moro em frente do lugar onde aquela montanha de lixo então se instalou, posso atestar a omissão completa das autoridades.

Esta senhora que perdeu a filha tem absoluta razão, a maioria desses parques itinerantes são depósitos de ferro velho. São lixões móveis que se aproveitam de prefeituras incompetentes, da falta de bombeiros e de promotores de justiça e, claro, do povo que não pensa, que vendo uma montanha de ferrugem e aço entortado sobre caminhões com pneus carecas, ainda se dispõe a subir naquelas coisas levando os filhos junto.

E coloque-se nesse contexto também alguns circos com arquibancadas podres de madeira, lonas esburacadas e gaiolas onde maltratam animais para delírio de gente que não pensa nem na segurança dos próprios filhos, que dizer no abuso contra a vida de animais indefesos.


Acidentes como este são apenas a ponta de um iceberg, existem milhares de parques e circos rodando pelo país afora sem alvarás e aproveitando-se da omissão completa da autoridades e da ignorância de pessoas incapazes de perceber o perigo mais iminente. É apenas a espera da próxima morte...