Pular para o conteúdo principal

QUAL O CUSTO DE UMA COPA DO MUNDO?

Nos países desenvolvidos é moleza sediar um evento como Copa ou Olimpíada. Lá, tudo ou quase tudo está pronto: os aeroportos estão adequados à demanda, há linhas de metrô, corredores de trânsito, ciclovias, hotéis, terminais portuários de passageiros, etc...

O fato de Alemanha, Japão e Coréia terem construído vários estádios para as copas que sediaram só reflete sua pujança econômica, mas não as exigências do caderno de encargos da FIFA ou do COI, que eles excederam com louvor por já terem condições pré-estabelecidas que facilitavam a tarefa.

Em 1998 a França só construiu um estádio para a Copa, reformando outros datados das décadas de 20 e 30 e o evento foi um sucesso. Fato parecido aconteceu na Itália em 1990 e em 1994, a Copa nos EUA não recebeu nenhum centavo de dinheiro público, foi tocada exclusivamente por investidores privados, que escolheram cidades-sede já adequadas ao evento.

Nas Olimpíadas de 2012, o Estádio Olímpico será erguido com estruturas móveis que serão desmontadas logo após, o mesmo acontecendo com várias outras arenas para as demais modalidades, por contenção de custos.

Não estou dizendo que os países ricos não cometem exageros. Em Atlanta, o estádio olímpico foi demolido logo após o evento (se bem que lá, foi erguido sem dinheiro público) e Japão e Coréia acabaram com estádios abandonados após sua Copa.

Esou dizendo que para eles, é muito mais fácil ostentar estádios moderníssimos e reluzentes, que aparecem nas TV(s) do mundo afora, porque sua necessidade de gastarem na infra-estrutura (portos, hotéis, metrôs, trânsito) é muito menor.

O Brasil está incorrendo em um erro grave. Quer entregar para a Copa 2014 estádios tão ou mais suntuosos que os da África do Sul em 2010, da Alemanha em 2006 e de Japão-Coréia em 2002. Isso a um custo colossal que não leva em consideração outro custo igualmente extraordinário que é o de adequar minimamente as cidades-sede para o fluxo de turistas do evento.

Se em Recife e Salvador eles se justificam, estádios novos em Cuiabá, Natal, Manaus e Brasília são um atestado de desperdício, porque ficarão inúteis após o evento. E também não é aceitável que o estádio mais moderno do país, o Engenhão, fique de fora do evento, o Rio de Janeiro, como Johanesburgo, poderia ter dois estádios, sendo que em São Paulo, a reforma do Morumbi ou do Pacaembú seriam suficientes.

E ao mesmo tempo, o Brasil está negligenciando as obras de mobilidade urbana. O trem-bala que foi prometido não sairá para a Copa, como dificilmente sairá a linha do metrô de Curitiba e como estão parados todos os projetos sobre isso em todas as cidades-sede, enleados em burocracia licitatória e interesses paroquiais.

Que o Brasil vai sediar a Copa e que o evento será um sucesso eu não duvido. Mas a que custo, nessa toada?

Postagens mais visitadas deste blog

O DISTRITÃO NÃO SOLUCIONA, MAS É MELHOR DO QUE HÁ HOJE

Existem dois tipos de eleitores no Brasil. O consciente, que vota naquilo que o candidato representa (para o bem ou para o mal), e o conivente, aquele que troca o seu voto por alguma benesse, ignorando as falhas gritantes do candidato.
Aqui, em Rio Branco do Sul, se um indivíduo não gastar no mínimo uns 100 mil reais não tem chance alguma de se eleger vereador. Quando meu pai foi candidato, 40 anos atrás, todo dia tinha fila na porta de casa, de gente pedindo dinheiro, cachaça, carona para ir para Curitiba, traslado para levar a mãe na benzedeira, contribuição para churrasco, material de construção, etc... e isso foi bem além da campanha, uns 10 anos depois ainda tinha gaiato dizendo que votou nele, emendando isso com pedido de trocados para gastar no boteco, e isso que não foi eleito, nem tentou de novo depois.
Moral da história: as campanhas eleitorais não são caras porque os candidatos querem gastar, elas são caras porque boa parte do eleitorado é corrupto e desonesto. E num ambie…

VIRAR PESSOA JURÍDICA PODE PREJUDICAR SUA APOSENTADORIA

Nestes tempos em que se discute com 15 anos de atraso uma reforma previdenciária profunda que ataque um dos dois principais problemas fiscais brasileiros, o déficit crescente do INSS (o outro é a conta absurda de juros), não deixa de ser importante discutir o efeito de transformar o empregado em pessoa jurídica.
Para nós, contabilistas, é o melhor dos mundos. O empregado de certa empresa vira pessoa jurídica, nós recebemos os honorários de tabela e ele ainda desconta 11% (quando somos pessoas físicas) do valor que é nossa contribuição previdenciária. Mas para o ex-empregado as coisas não são assim tão simples.
Quando você aceita virar pessoa jurídica, imediatamente tem de pensar em como ficará sua aposentadoria. Um empregado que ganhe R$ 15 mil mensais, contribui para o INSS pelo máximo da tabela, ou seja, ele está pagando para, quando completar o tempo e a idade, aposentar-se com um valor de aproximadamente R$ 5 mil por mês, talvez um pouco menos dependendo de sua média de contribui…

O ADEUS AO MAIOR DOS COXAS

"...não deixem que o Coritiba caia para a segunda divisão. Faça essa diretoria montar um time forte. Ano que vem o Coritiba completa 100 anos e precisa estar disputando o título brasileiro. Montem um time forte. Pensem grande. Lá do céu vou comemorar junto com vocês... "Abro o Coxanautas e vejo a notícia triste, o falecimento do maior dos Coxas.

Evangelino da Costa Neves, o "Chinês", veio de São Paulo e se apaixonou pelo Coritiba, clube pelo qual praticamente deu sua vida com esforço e dedicação como o de quem constrói o futuro de sua própria familia.

Digo aos meus leitores e lembro aos Coxas mais jovens as grandes conquistas deste homem incomum para nós Coritibanos: Construção do estádio Couto Pereira, Campeão Brasileiro, Campeão do Torneio do Povo(*), Fita Azul na Europa e 12 vezes campeão paranaense. Mais conquistas? Eu posso listar: Dirceu, Kruger, Kosilec, Luis Freire, Eli Carlos, Aladim, Manga, Duílio, Tobi, Tostão, Rafael Camarota, Dida, Edson, etc... é prec…