QUAL O CUSTO DE UMA COPA DO MUNDO?

Nos países desenvolvidos é moleza sediar um evento como Copa ou Olimpíada. Lá, tudo ou quase tudo está pronto: os aeroportos estão adequados à demanda, há linhas de metrô, corredores de trânsito, ciclovias, hotéis, terminais portuários de passageiros, etc...

O fato de Alemanha, Japão e Coréia terem construído vários estádios para as copas que sediaram só reflete sua pujança econômica, mas não as exigências do caderno de encargos da FIFA ou do COI, que eles excederam com louvor por já terem condições pré-estabelecidas que facilitavam a tarefa.

Em 1998 a França só construiu um estádio para a Copa, reformando outros datados das décadas de 20 e 30 e o evento foi um sucesso. Fato parecido aconteceu na Itália em 1990 e em 1994, a Copa nos EUA não recebeu nenhum centavo de dinheiro público, foi tocada exclusivamente por investidores privados, que escolheram cidades-sede já adequadas ao evento.

Nas Olimpíadas de 2012, o Estádio Olímpico será erguido com estruturas móveis que serão desmontadas logo após, o mesmo acontecendo com várias outras arenas para as demais modalidades, por contenção de custos.

Não estou dizendo que os países ricos não cometem exageros. Em Atlanta, o estádio olímpico foi demolido logo após o evento (se bem que lá, foi erguido sem dinheiro público) e Japão e Coréia acabaram com estádios abandonados após sua Copa.

Esou dizendo que para eles, é muito mais fácil ostentar estádios moderníssimos e reluzentes, que aparecem nas TV(s) do mundo afora, porque sua necessidade de gastarem na infra-estrutura (portos, hotéis, metrôs, trânsito) é muito menor.

O Brasil está incorrendo em um erro grave. Quer entregar para a Copa 2014 estádios tão ou mais suntuosos que os da África do Sul em 2010, da Alemanha em 2006 e de Japão-Coréia em 2002. Isso a um custo colossal que não leva em consideração outro custo igualmente extraordinário que é o de adequar minimamente as cidades-sede para o fluxo de turistas do evento.

Se em Recife e Salvador eles se justificam, estádios novos em Cuiabá, Natal, Manaus e Brasília são um atestado de desperdício, porque ficarão inúteis após o evento. E também não é aceitável que o estádio mais moderno do país, o Engenhão, fique de fora do evento, o Rio de Janeiro, como Johanesburgo, poderia ter dois estádios, sendo que em São Paulo, a reforma do Morumbi ou do Pacaembú seriam suficientes.

E ao mesmo tempo, o Brasil está negligenciando as obras de mobilidade urbana. O trem-bala que foi prometido não sairá para a Copa, como dificilmente sairá a linha do metrô de Curitiba e como estão parados todos os projetos sobre isso em todas as cidades-sede, enleados em burocracia licitatória e interesses paroquiais.

Que o Brasil vai sediar a Copa e que o evento será um sucesso eu não duvido. Mas a que custo, nessa toada?