JOGADOR, ATLETA E CIDADÃO SÃO COISAS DIFERENTES

Já há algum tempo em defendo na torcida do Coxa que o clube seja ousado e mantenha uma escola primária e secundária de qualidade que trabalhe em conjunto com suas categorias de base.

E explico o por quê:

Hoje, a maioria dos clubes forma jogadores. Mais ou menos aos 17 ou 18 anos, muitos dele estouram nas categorias de base dos grandes clubes e a partir de então, assinam polpudos contratos e viram estrelas da noite para o dia, para só então começarem a virar atletas, no sentido de envolvidos na atividade profissional e sujeitos a uma preparação física mais apurada.

Mas muitos deles ou demoram demais ou jamais chegam a virar cidadãos.

E daí experimentamos casos como os que temos visto nos últimos tempos. Jogadores que quebram contratos alegando saudades da favela, outros que se deixam fotografar com traficantes e terceiros, que se envolvem em supostos e escabrosos crimes. E por fim, jogadores que, milionários durante a carreira, se descobrem pobres após ela, de tantos problemas pessoais e financeiros em que se meteram em suas carreiras confusas.

E ainda há o aspecto financeiro: os jogadores não criam vínculos com o clube que os descobriu. Sua falta de cultura e discernimento (e, portanto, de cidadania) faz brilhar seus olhos com promessas de contratos polpudos que os fazem virar às costas para quem um dia apostou em seu talento. Eles acabam seguindo quem lhes oferece mais imediatamente e isso queima muitas carreiras brilhantes, que melhor administradas teriam mais resultados para todos os envolvidos (jogador, clube, empresários e familiares).

Enfim, ser jogador de sucesso é uma coisa. Ser atleta é outra. Ser cidadão é algo muito mais abrangente que isso e depende de cultura, que só se adquire estudando de alguma forma.

Imaginemos o efeito que teria para o Brasil, se todos os seus craques de futebol saissem de seus clubes de origem com uma formação intelectual? Ídolos estudados, capazes de dar bons exemplos à juventude que os admira e ao mesmo tempo, gerar dividendos para si mesmos e para os clubes que os formaram?

Certamente isso diminuiria a relação feia que temos visto nos ultimos tempos entre futebol, falta de inteligência e crime.