HAVERÁ ESTÁDIOS PRIVADOS EM 2014?

O Comitê Organizador da Copa 2014 (leia-se: CBF) excluiu hoje o Morumbi, estádio do São Paulo FC, da lista dos que sediarão o evento, porque clube não apresentou garantias finaceiras.

Eu alertava aqui no blog há algum tempo que não haveria investidores para estádios privados fora do eixo Rio-SP.

Errei! Simplesmente não haverá investidores para estádios privados porque é muito mais fácil aderir à tese da moleza: para quê investir na construção de estádios se basta esperar que os governos dos otários brasileiros os façam, e depois da Copa patrociná-los a custo infinitamente menor sem a necessidade de recuperar o investimento imobilizado?

O Engenhão está aí de exemplo: orçado em 50 milhões, custou 300 e nem será usado na Copa. Se interessar para alguém, basta oferecer a quantia mensal da manutenção, que é em torno de R$ 250 mil, para garantir o "naming rights" e explorar o elefante branco, o que o Botafogo não consegue!

O Bob Fernandes, no Terra, leia AQUI, faz comentários interessantes sobre a precariedade dos estádios sul-africanos.

Ora, se na África do Sul os estádios podem ser precários, porque o Morumbi, que é um ótimo estádio, não pode sediar Copa? Se na África do Sul tem estádio com fosso (teoricamente proibido pela FIFA), porque o estádio em Curitiba precisa acabar com o seu e empreender dezenas de modificações suntuosas?

Tudo caminha para a construção e reforma bilionária de estádios públicos que depois da Copa voltarão a cair aos pedaços como a Fonte Nova e o Pituaçú em Salvador, o Machadão em Natal e mesmo o Maracanã e o Engenhão no Rio.

Fala-se num Piritubão em São Paulo, ao custo de 1 bilhão de reais, para sediar jogos do Corinthians que, por sua vez, já está usando o Pacaembú com ótimos resultados para o clube. Especula-se de um estádio público em Curitiba para atender Coritiba e Paraná Clube, dois clubes que jamais precisaram de ajuda governamental para nada e cujas torcidas certamente preferem mais polícia na rua, que um elefante branco a afastá-los dos confortáveis Couto Pereira e Durival de Britto.

Porto Alegre só se livrou da jaca porque muito antes dessa hstória sórdida de Copa do Mundo, o Gremio conseguiu um investidor para fazer um estádio independente dela! Se não, os gaúchos estariam tratando de uma arena estadual ou municipal também.

Não sou engenheiro mas afirmo: o Morumbi pode muito bem sediar a Copa com uma reforma de 200 milhões. Assim como o estádio de Curitiba também, com uma reforma de 30 milhões. Assim como é desperdício construir estádios novos suntuosos em Cuiabá, Natal e Manaus, cidades onde nem há grandes clubes de futebol. Assim como é desperdício fazer mais uma reforma caríssima no Maracanã, que passou por intervenções para o Mundial FIFA de clubes em 2000 e para o Pan-Americano, ambas estourando orçamento, o mesmo que já passou dos 700 milhões e não pára de crescer, mesmo sem que um tijolo seja aplicado no lugar.

Alguém está vendendo a idéia de que a FIFA quer que a Copa no Brasil seja igual à da Alemanha. Estamos assistindo os governos de um país que não consegue fazer funcionar um prosaico telefone 190 para a segurança pública, se disporem a torrar bilhões em estádios que, de regra, depois do evento não servirão para nada!

E o pior...estão usando a Copa na África para aliviar o impacto no noticiário.