O PAÍS DA COPA 2014 PASSA VERGONHA NA TRAGÉDIA DO AVIÃO DA AIR FRANCE

A Marinha do Brasil enviou para rastrear o provável local do acidente com o avião da Air France o único meio naval que dispunha na região, a corveta Caboclo cuja velocidade máxima é de 14 nós, 1/3 do que um navio oceânico militar comum pode e deve operar. Essa corveta é da classe Imperial Marinheiro e de tão antigas as suas unidades, algumas delas foram transferidas para uso fluvial na Amazônia, por absoluta defasagem tecnológica, sem contar que das 14 que existiam, só 4 ou 5 ainda operam.

Já a Força Aérea Brasileira não conta com um avião de patrulha marítima e SAR adequado para a situação. Os P-95 "Bandeirulha", são aviões que trabalham sempre na linha costeira e dificilmente se aventuram em missões de alto-mar, dado sua pouca autonomia. Para improvisar, a FAB mandou aviões de transporte C-130 Hércules que têm a autonomia requerida para a missão, mas não são dotados dos sensores que ajudariam na varredura do mar em busca de destroços.

A FAB ainda informou que os P3 Órium M, aviões comprados (muito) usados dos EUA e em processo de ampla modernização na Espanha, só entrarão em serviço em 2010, sendo que o último avião brasileiro que tinha essas capacidades, saiu de serviço ainda na década de 70, o Neptune, um modelo que iniciou seus trabalhos logo após a 2a. Guerra Mundial.

Bem, dizer o que?

Só posso dizer que o Brasil orçou os Jogos Panamericanos em 300 milhões e gastou 2,5 bilhões, sem que ficasse uma única melhoria urbana no Rio de Janeiro. Se esses 2,2 bilhões de diferença fossem pelo menos usados para reequipar as forças armadas, quem sabe o país não estaria dando o vexame que está dando hoje, ou não?

Mas a questão é pior ainda. Projeta-se um submarino nuclear para daqui há 15 anos, sabendo-se que o último navio de guerra produzido pelo país levou 14 anos para encontrar o mar. Mais do que isso, discute-se há intermináveis 8 anos o projeto F-X, enquanto os meios aéreos da FAB estão saindo de operação por obsolescência.

Mas o país vai arranjar na marra os 150 bilhões necessários para a Copa do Mundo, nem que para isso tenha que inventar uma CPMF com alíquota de 100%, fazendo a alegria dos corruptos que agora, resolveram "investir" na construção de estádios que depois de 2014, receberão jogos fantásticos como Atlético-PR X ROMA (de Apucarana), Brasiliense X Gama, Corinthians X Mirassol, São Paulo X Barueri, Flamengo X Volta Redonda, América-RN X Assú e Internacional X Vacaria. É mole?

Para manter as forças armadas, com toda a sua importância estratégica e de integração nacional, nada.

Para colocar dinheiro em obras que provavelmente que serão superfaturadas e pagas com dinheiro público a fundo perdido, tudo!