A ARGENTINA NA MESMA

Outrora um país imensamente rico, hoje a Argentina paga o preço de acreditar no populismo estúpido de governantes como Perón, Galtieri, Ménem e os Kirchner.

A Argentina da senhora Kirchner avançou alguns degraus da escada da imbecilidade tributária ao decretar o aumento de impostos sobre a exportação(1)agrícola para prevenir a inflação que o governo anterior (do seu marido) tratou de esconder manipulando os índices oficiais e forçando o tabelamento de preços, especialmente os agrícolas.

Dados os tabelamentos, era natural que os agricultores exportassem para não ficar no prejuízo. Daí a senhora Kirchner achou que, impedindo seus produtores rurais de exportar trigo para o Brasil, os preços dos seus derivados cairiam no mercado interno. O resultado, porém, é que os preços na Argentina não caíram e no Brasil, dispararam, o que obrigou o parceiro bolivariano Lula a ir justamente na direção contrária de Cristina, desonerando o trigo de impostos de importação, para evitar altas absurdas nos preços, o que conseguiu, em parte(2).

Com o locaute dos agricultores, os produtos sumiram das prateleiras, os preços internos dispararam e a popularidade da presidente entrou em queda livre, por mais que ela venha com o discurso bonitinho de que, com o dinheiro dos impostos adicionais, construirá hospitais e escolas.

Agora ela recua e manda um projeto de Lei ao Congresso, onde tem maioria, mas nada garante que o locaute não continuará e mesmo que cesse, o estrago já está feito: a inflação disparou, e isso é grave em um país que deu calote na dívida externa, tem as contas públicas deficitárias e ainda por cima sofre com problemas como a falta de energia, razão pela qual seus políticos saíram a apoiar o paraguaio Fernando Lugo, para comprar energia de Itaipú na marra, nem que para isso o Brasil tenha que se danar.

Enfim, a Argentina hoje é o retrato dos políticos populistas e irresponsáveis que permeiam toda a sua história, e se daqui há pouco os panelaços da população "apearem" mais um presidente do cavalo Casa Rosada, ninguém se surpreenderá, será apenas a rotina num país em que a classe política age apenas pelos seus próprios interesses.




(1) Poucos países no mundo cobram impostos diretos sobre exportações. O Brasil é um deles, embora com a atenuante da Lei Kandir (ICMS) e do PIS e COFINS não cumulativos, isso tenha melhorado um pouco.

(2) O governo Lula adotou a tática de desoneração tributária para impedir o aumento exponencial de preços. Aconteceu com o trigo e com os combustíveis, aquele com desoneração de IPI e imposto de importação, estes, com diminuição da CIDE. Isso prova, entre outras coisas, que impostos demais são inflacionários, outra razão para que não se crie a CSS.