IMAGENS DE CURITIBA - 4

O Largo da Ordem é chamado de centro histórico da cidade, uma série de casarões antigos muito bem preservados em ruas calçadas com paralelepípedos gastos e lustrados pelo tempo, bem próximos do marco zero da capital paranaense, que situa-se na Praça Tiradentes.

A primeira foto, é uma perspectiva geral de quem inicia a descida do Largo na esquina da Alameda Dr. Muricy. À direita, casarões da Fundação Cultural de Curitiba, a loja de artesanato do PROVOPAR municipal, e a loja de brinquedos artesanais Gepeto, o prédio vermelho e branco. À esquerda, em primeiro plano, uma escadinha de onde é possível olhar o Relógio de Flores e mais ao fundo a Igreja do Rosário. Ao lado dela, o Solar do Rosário, onde há uma galeria de arte e um ótimo restaurante de comida alemã.




Na 2ª e na 3ª, a Igreja do Rosário e o repuxo do cavalo, criado na gestão Rafael Greca de Macedo, muito criticado mas que eu acho bonito, justamente por sua simplicidade.
PS:CLIQUE SOBRE AS FOTOS PARA AUMENTÁ-LAS.




Na 4ª foto, a Igreja Presbiteriana, com seu belo campanário.





Na 5ª foto, o ponto d'água, que é reconhecido como o marco-zero do Largo, em volta do qual há vários barzinhos, a Casa Romário Martins e a Igreja da Ordem, a mais antiga da cidade, cujas imagens deixo para outra ocasião.




E na 6ª foto, já do outro lado do Largo, o mural de autoria de Poty Lazarotto, um dos maiores artistas plásticos paranaenses, que enfeita umas paredes antigamente cruas e sem vida, ajudando a compor a imagem do Largo no geral, onde acontece todos os domingos a tradicional feirinha de artesanato, que de "inha" não tem nada e onde é possível comprar obras de arte a preços acessíveis, olhar carros antigos em exposição e ouvir grupos de velhinhos tocando de tudo, especialmente chorinho, ali no espaço do Relógio de Flores.














-----------------------------------------------------------------------------
Post novo, o primeiro inédito em Prédica e História. A forma da proclamação da República teria efeitos na política brasileira de nossos dias?