Pular para o conteúdo principal

PARTE II

O estigma da mulher negra na cultura brasileira

No período de escravidão, as mulheres negras possuíam uma posição inferior entre os inferiores. Valiam menos por serem menos produtivas e envelheciam mais depressa, a escrava com mais de 35 anos não possuía mais valor. As que trabalhavam na roça aproximavam-se da casa grande e quando engravidavam , muitas vezes, abandonavam seus filhos para amamentarem os filhos da senhora, numa época em que não era comum para as mulheres da elite amamentarem seus próprios filhos.

As escravas escolhidas para os serviços domésticos das casas ricas desfrutavam de melhores condições de moradia, alimentação, vestimentas, e aprendiam a ler e escrever (o que era proibido aos escravos). Porém eram as que mais sofriam violência sexual. Vistas como sensuais, essas mulheres viraram “objeto sexual”. Algumas ao virem no sexo uma forma de poder começaram a usá-lo como forma de rebeldia, assim como o aborto e o infanticídio. Para os pequenos proprietários, essa perda podia levá-los à ruína, pois eram escravos que seriam vendidos ou usados como moeda de troca.

Não raro, essas escravas eram prostituídas pelos seus donos, e por esses favores sexuais, muitas vezes, obtiam sua alforria. Em meados do século XIX , o número de mulheres alforriadas era superior ao dos homens, devido às suas habilidades como vendedoras que lhes rendiam dinheiro para comprar suas alforrias. As herdeiras dessa tradição ainda podem ser vistas no Bahia e no Rio de Janeiro como vendedoras de acarajé e cocadas.

Na literatura brasileira são várias as histórias de amor entre o homem branco e a mulher negra e, principalmente a mulata, considerada por muitos a companheira sexual ideal, pois tem a sensualidade negra e a aparência da branca. Esses personagens também aparecem nas modinhas populares, como essa de Lamartine Babo em O Teu Cabelo Não Nega:

“O teu cabelo não nega
Mulata
Porque és mulata na cor
Mas como a cor não pega
Mulata
Mulata quero o teu amor
Tens um sabor
Bem do Brasil
Tens a alma cor de anil
Mulata, mulatinha, meu amor
Fui nomeado teu tenente interventor”


Composta em 1931, essa famosa canção carnavalesca, insinua que a relação entre uma mulher negra e um homem branco é possível por que “a cor não pega”.
Por essa herança de trabalhos e serviços às senhoras das grandes fazendas, as mulheres negras também são vistas como serviçais. Muitas delas trabalham como empregadas domésticas, para patrões brancos, não convivendo socialmente com eles e são até impedidas de usar o elevador social. São versões modernas da escrava negra e da sinhá, que vivem hoje como viviam suas bisavós e tataravós escravas. Na televisão, são as preferidas para interpretarem o papel das domésticas, governantas e babás. Séculos depois a negra ainda é vista ou como objeto sexual ou serva do branco

Postagens mais visitadas deste blog

O DISTRITÃO NÃO SOLUCIONA, MAS É MELHOR DO QUE HÁ HOJE

Existem dois tipos de eleitores no Brasil. O consciente, que vota naquilo que o candidato representa (para o bem ou para o mal), e o conivente, aquele que troca o seu voto por alguma benesse, ignorando as falhas gritantes do candidato.
Aqui, em Rio Branco do Sul, se um indivíduo não gastar no mínimo uns 100 mil reais não tem chance alguma de se eleger vereador. Quando meu pai foi candidato, 40 anos atrás, todo dia tinha fila na porta de casa, de gente pedindo dinheiro, cachaça, carona para ir para Curitiba, traslado para levar a mãe na benzedeira, contribuição para churrasco, material de construção, etc... e isso foi bem além da campanha, uns 10 anos depois ainda tinha gaiato dizendo que votou nele, emendando isso com pedido de trocados para gastar no boteco, e isso que não foi eleito, nem tentou de novo depois.
Moral da história: as campanhas eleitorais não são caras porque os candidatos querem gastar, elas são caras porque boa parte do eleitorado é corrupto e desonesto. E num ambie…

VIRAR PESSOA JURÍDICA PODE PREJUDICAR SUA APOSENTADORIA

Nestes tempos em que se discute com 15 anos de atraso uma reforma previdenciária profunda que ataque um dos dois principais problemas fiscais brasileiros, o déficit crescente do INSS (o outro é a conta absurda de juros), não deixa de ser importante discutir o efeito de transformar o empregado em pessoa jurídica.
Para nós, contabilistas, é o melhor dos mundos. O empregado de certa empresa vira pessoa jurídica, nós recebemos os honorários de tabela e ele ainda desconta 11% (quando somos pessoas físicas) do valor que é nossa contribuição previdenciária. Mas para o ex-empregado as coisas não são assim tão simples.
Quando você aceita virar pessoa jurídica, imediatamente tem de pensar em como ficará sua aposentadoria. Um empregado que ganhe R$ 15 mil mensais, contribui para o INSS pelo máximo da tabela, ou seja, ele está pagando para, quando completar o tempo e a idade, aposentar-se com um valor de aproximadamente R$ 5 mil por mês, talvez um pouco menos dependendo de sua média de contribui…

O ADEUS AO MAIOR DOS COXAS

"...não deixem que o Coritiba caia para a segunda divisão. Faça essa diretoria montar um time forte. Ano que vem o Coritiba completa 100 anos e precisa estar disputando o título brasileiro. Montem um time forte. Pensem grande. Lá do céu vou comemorar junto com vocês... "Abro o Coxanautas e vejo a notícia triste, o falecimento do maior dos Coxas.

Evangelino da Costa Neves, o "Chinês", veio de São Paulo e se apaixonou pelo Coritiba, clube pelo qual praticamente deu sua vida com esforço e dedicação como o de quem constrói o futuro de sua própria familia.

Digo aos meus leitores e lembro aos Coxas mais jovens as grandes conquistas deste homem incomum para nós Coritibanos: Construção do estádio Couto Pereira, Campeão Brasileiro, Campeão do Torneio do Povo(*), Fita Azul na Europa e 12 vezes campeão paranaense. Mais conquistas? Eu posso listar: Dirceu, Kruger, Kosilec, Luis Freire, Eli Carlos, Aladim, Manga, Duílio, Tobi, Tostão, Rafael Camarota, Dida, Edson, etc... é prec…