NO FIO DA NAVALHA


Houve quem disse que os mandados expedidos no Maranhão, contra um ex-governador e assessores do atual, fosse vingança da família Sarney, que em parte, foi "apeada" do poder naquele estado em 2006, apesar de deter um naco enorme dele em esfera federal por serem os Sarney, políticos de confiança do PT e do presidente Lula.

E ia tudo bem para o país e para o governo, mesmo com a Operação Navalha da Polícia Federal, porque ela demonstra, de certa forma, que a política deste governo em repotencializar a PF é acertada a ponto dela prender e trazer problemas até mesmo para aliados do ocupante do Palácio do Planalto. Méritos do atual presidente, visto que o anterior abandonou a PF, tornando-a praticamente inoperacional.

Mas ninguém esperava que um Ministro de Estado tivesse seu nome envolvido nas denúncias, juntamente com parlamentares e membros de nada menos que 7 partidos entre situação e oposição.

A experiência brasileira mostra que deputados e senadores são flagrados e acusados em quase todos os escândalos de corrupção. E eles se aferram aos seus cargos por meio de manobras regimentais e advocatícias, contando, inclusive, com o esquecimento da maioria da população, que não sabe que o Congresso deveria legislar e fiscalizar o Poder Executivo. Com efeito, para a maioria da população brasileira, ignorante e politicamente insensível, o Congresso é apenas uma imensa secretaria municipal de ação social, onde se pede apadrinhamento para receber esmolas.

Mas com um Ministro de Estado a coisa é diferente. Primeiro porque o ministro é, tanto quanto é visto pela população,um assessor direto do presidente. Em segundo lugar, porque quando um ministro está envolvido, as forças no Congresso clamam por sua cabeça para salvar as próprias, porque sabe-se no Legislativo que nada é melhor para tirar o foco de denúncias contra parlamentares, que um assessor direto do presidente acusado de algo. A imprensa foca apenas o Palácio do Planalto e os processos éticos internos do outro lado da Praça dos Três poderes tratam de amenizar a situação dos parlamentares eventualmente envolvidos em denúncias.

Assim, o suposto envolvimento do ministro Silas Rondeau do PMDB e das Minas e Energia, que ocupa o cargo por indicação da família Sarney, traz uma dor de cabeça para o presidente Lula. Pelo noticiário de hoje, o ministro pedirá demissão, o que alivia a carga recebida pelo ocupante do Planalto, que em sua defesa sempre poderá alegar que não fosse o seu governo, a PF não teria condições de bancar essas operações.

Até aí tudo bem. Mas acontece que a desculpa clássica do senhor presidente em dizer que foi traído não vale mais, porque a família Sarney poderia ser considerada como a "linha de atacantes" do time do presidente, assim como o Ministro das Minas e Energia é uma espécie de "centroavante" do PAC, responsável por boa parte das ações materiais do plano que representa meio e objetivo maior deste segundo mandato. O presidente não poderia ser traído por um ministro tão importante, muito menos pelos Sarney.

Sou da opinião que políticos envolvidos na mais tênue das denúncias não podem sequer assumir cargos para os quais sejam convidados. É certo que essa não é a prática brasileira, onde gente processada até criminalmente ocupa cargos políticos. Mas bem que os Sarney podiam ter sabatinado melhor o quadro que indicaram, antes dele virar Ministro.

Esse episódio da Operação Navalha não é de todo ruim para o Brasil, porque a polícia foi para cima de gente graúda tanto da situação quanto da oposição, pessoas que, normalmente, se achariam imunes à mínima brisa da Lei. O problema é que desta operação que envolve tanto peixe grande, virá uma CPI que não vai resolver nada e embaralhar ainda mais as coisas e certamente, também teremos processos frustrados de cassação contra políticos além da natural desídia do péssimo Judiciário nacional, com seus juizes lenientes e sempre dispostos a aliviar a barra dos "bacanas", tudo aumentando a já péssima sensação de impunidade que os brasileiros conscientes sentem por aqui.

Queira Deus que eu esteja errado!

O Estado de S.Paulo: lista dos envolvidos na operação: CLIQUE AQUI