É DEMOCRACIA OU ESTUPIDEZ?

Eu fui "agraciado" em ser vizinho de dois comitês da campanha para prefeito aqui na minha rua.

Dias atrás, os patetas travestidos de cabos eleitorais, um bando de retardados mentais, desocupados de pai e mãe, bêbados e inúteis que dirigem carros velhos com potentes aparelhagens de som começaram uma "batalha" para ver quem fazia mais barulho em favor do seu candidato. E tome carros de som em volume insuportável gritando 20, 20, 20, 20...! ou 45, 45 45, 45...! com as antas soltando fogos de artifício e se provocando mutuamente. Foi o limiar de uma batalha campal, um barril de pólvora prestes a explodir com os dois candidatos se omitindo em exigir o bom senso e mandarem seus afiliados se conterem e saírem dali!

Só por Deus que um daqueles idiotas não sacou de uma arma e não iniciou uma tragédia. Havia muitos completamente bêbados prontos para jogarem carros uns nos outros ou se agredirem com paus e pedras, só não aconteceu por milagre!

E se fosse só aqui não seria problema, mas o que mais se vê atualmente por onde se ande são essas candidaturas que mais parecem torcidas organizadas de futebol, esse embate de cabos eleitorais destituídos de inteligência fazendo acusações mútuas e mentirosas, brincando com o voto que deveria ser sério e focado em propostas para administração da coisa pública.

E a verdadeira epidemia de candidatos ridículos. As Dilmas de proveta, os Tiriricas forçados por idiotas que pensam que eleição é palhaçada, os Lulas aparecidos do nada, os Marquinhos da saúde ou as Jandiras da cantina... Um bando de gente desqualificada sem qualquer tipo de idéia procurando um emprego onde se trabalha nada e se ganha muito. E suas musiquinhas criminosas na medida em que roubam direitos autorais e atormentam a vida das pessoas sem poupar hospitais e escolas, até porque difundidas por carros de som dirigidos por idiotas alheios ao bom senso, que dizer á lei e à ordem.

Isso não é democracia, é estupidez pura e simples.

Quando o país se redemocratizou, assistimos preocupados a ascenção dos radicalóides de extrema esquerda e extrema direita que pregavam a revolução para instituir uma ditadura ainda pior do que a que havia findado. Deixamos na época que eles conspurscassem a democracia e praticassem badernas, pixações, invasões e quebras-quebras sob a desculpa de que era preciso aprender democracia. Passados tantos anos em que se tentou fazer essa gente "aprender" alguma coisa, agora a baderna virou prática generalizada, todos os candidatos à usam em maior ou menor grau, sintoma claro de que o Brasil foi pelo caminho errado, deu corda para quem não queria aprender e de quebra, causou a sensação de que vale tudo, menos oferecer propostas para fazer seu candidato vencer.

E não de modo surpreendente, o que vimos nas últimas décadas foi a expansão da atividade política, no sentido da caça constante e incessante aos votos, mas a negligência da atividade administrativa, o que gerou governos que não planejam nada, que não têm programas, que se preocupam demais com o pleito a cada dois anos e de menos com o funcionamento eficiente da coisa pública. 

É o reflexo da falta de idéias de candidatos que não sabem como funciona um governo e que pensam que uma vez eleito tudo é possível e nada é negado. É a estupidez dos que acham que uma vez eleitos, abrem-se as portas da riqueza dos palácios para si e seus correligionários sem a necessidade de melhorar o Estado, de fazê-lo mais eficiente em busca do bem comum. Essa gente assume cargos públicos e por óbvio faz o que puder para nunca mais largá-los, já que usa o Estado apenas para o bem pessoal e se muito, na sobra de algum recurso, para o bem comum, razão pela qual lhe desespera a possibilidade de perder a "boquinha", o que à leva à campanha permanente e inclusive ao acirramento dos ânimos.

Vale tudo para ser eleito, vale tudo para ser reeleito, só não vale perder e se for para não perder, cometa-se o crime que for necessário, atormente-se quem tiver que atormentar, aja como um ente ridículo... mas não perca a eleição!