Pular para o conteúdo principal

E OS JUROS, HEIM?

De repente, o clima modorrento do governo Dilma é abalado pela decisão da presidente em determinar um corte substancial nas taxas de juros cobradas pelos bancos públicos, taxas estas que chegaram a índices 35% menores.

Alguém como eu, que há tanto tempo reclama das taxas de juros pornográficas praticadas no Brasil por bancos incompetentes e gananciosos não pode deixar de elogiar a iniciativa. Mas ao mesmo tempo, fico me perguntando porque medida tão simples não foi tomada antes, por exemplo, pelo ex-presidente Lula, que tinha na cadeira de vice nada menos que José Alencar bradando aos quatro ventos contra os abusos financeiros praticados no país, a prejudicar pessoas e negócios e atrapalhar o crescimento da economia.

O fato é que redução substancial das taxas de juros em bancos públicos vai forçar os bancos privados a fazerem o mesmo pela simples razão de que os "spreads" praticados no Brasil são irreais, eles embutem uma lucratividade imoral muito maior que os riscos da operação e da inadimplência da qual os bancos vivem reclamando mesmo emprestando dinheiro sem cadastro prévio, como têm feito no financiamento de veículos nos últimos 8 anos.

Aliás, uma das razões da inadimplência alta no crédito brasileiro é justamente a incompetência visceral dos bancos pátrios, que são mal administrados, que transferem recursos para financeiras que emprestam sem critérios no microcrédito, que contratam escritórios de advocacia ruins que cuidam de suas cobranças sem critérios de qualidade, que cedem a pressões de políticos de raia miúda e que pagam bônus fantásticos para diretores nem sempre honestos e comprometidos com a sanidade das operações das instituições.

E não me venham dizer que isso é passado, porque os bancos brasileiros só não embarcaram na crise que assola a Europa e os EUA porque estão sob rédea curta no Brasil, desde que o PROER do então presidente Fernando Henrique Cardoso saneou o sistema ao custo de uma taxa SELIC de mais de 30%, recessão, dor e sofrimento para todo o povo brasileiro. Os bancos brasileiros só não caíram na farra do sub-prime porque o governo brasileiro que os salvou impediu que fizessem mais essa loucura para inflar os bônus trimestrais de seus diretores, como aconteceu com quem emprestou dinheiro para a epifânia consumista dos norte-americanos, gregos, islandeses e irlandeses.

Mais ainda constatamos que, premidos pela necessidade mercadológica de se adequarem a novos tempos, os mesmos banqueiros ainda tiveram a pachorra de exigir do governo a diminuição do IOF, dos depósitos compulsórios sobre empréstimos e medidas para "conter" a inadimplência que eles mesmos nada fazem para combater. Em outras palavras, eles querem que o governo assuma parte dos seus custos para diminuírem as taxas de juros, praticamente se declararam incapazes ou, pior, de má-vontade em cortar na própria carne gorda e tomarem uma medida de bem para todo o país.

É certo que o impacto da diminuição de taxas dos bancos públicos ainda não foi medido, e que a complexidade do sistema pode fazer com que demore, ainda, para que ocorra uma redução geral de "spreads" na economia. Existe muita burocracia para se trocar de banco no Brasil e agilizar esse processo competitivo, mas é o primeiro passo de algo que é vital para o Brasil, que ainda pratica o segundo maior 'spread" do mundo e que precisa equacionar essa questão em vista de outra muito falada nos dias de hoje, que é a competitividade do país em escala global.

Postagens mais visitadas deste blog

O DISTRITÃO NÃO SOLUCIONA, MAS É MELHOR DO QUE HÁ HOJE

Existem dois tipos de eleitores no Brasil. O consciente, que vota naquilo que o candidato representa (para o bem ou para o mal), e o conivente, aquele que troca o seu voto por alguma benesse, ignorando as falhas gritantes do candidato.
Aqui, em Rio Branco do Sul, se um indivíduo não gastar no mínimo uns 100 mil reais não tem chance alguma de se eleger vereador. Quando meu pai foi candidato, 40 anos atrás, todo dia tinha fila na porta de casa, de gente pedindo dinheiro, cachaça, carona para ir para Curitiba, traslado para levar a mãe na benzedeira, contribuição para churrasco, material de construção, etc... e isso foi bem além da campanha, uns 10 anos depois ainda tinha gaiato dizendo que votou nele, emendando isso com pedido de trocados para gastar no boteco, e isso que não foi eleito, nem tentou de novo depois.
Moral da história: as campanhas eleitorais não são caras porque os candidatos querem gastar, elas são caras porque boa parte do eleitorado é corrupto e desonesto. E num ambie…

VIRAR PESSOA JURÍDICA PODE PREJUDICAR SUA APOSENTADORIA

Nestes tempos em que se discute com 15 anos de atraso uma reforma previdenciária profunda que ataque um dos dois principais problemas fiscais brasileiros, o déficit crescente do INSS (o outro é a conta absurda de juros), não deixa de ser importante discutir o efeito de transformar o empregado em pessoa jurídica.
Para nós, contabilistas, é o melhor dos mundos. O empregado de certa empresa vira pessoa jurídica, nós recebemos os honorários de tabela e ele ainda desconta 11% (quando somos pessoas físicas) do valor que é nossa contribuição previdenciária. Mas para o ex-empregado as coisas não são assim tão simples.
Quando você aceita virar pessoa jurídica, imediatamente tem de pensar em como ficará sua aposentadoria. Um empregado que ganhe R$ 15 mil mensais, contribui para o INSS pelo máximo da tabela, ou seja, ele está pagando para, quando completar o tempo e a idade, aposentar-se com um valor de aproximadamente R$ 5 mil por mês, talvez um pouco menos dependendo de sua média de contribui…

O ADEUS AO MAIOR DOS COXAS

"...não deixem que o Coritiba caia para a segunda divisão. Faça essa diretoria montar um time forte. Ano que vem o Coritiba completa 100 anos e precisa estar disputando o título brasileiro. Montem um time forte. Pensem grande. Lá do céu vou comemorar junto com vocês... "Abro o Coxanautas e vejo a notícia triste, o falecimento do maior dos Coxas.

Evangelino da Costa Neves, o "Chinês", veio de São Paulo e se apaixonou pelo Coritiba, clube pelo qual praticamente deu sua vida com esforço e dedicação como o de quem constrói o futuro de sua própria familia.

Digo aos meus leitores e lembro aos Coxas mais jovens as grandes conquistas deste homem incomum para nós Coritibanos: Construção do estádio Couto Pereira, Campeão Brasileiro, Campeão do Torneio do Povo(*), Fita Azul na Europa e 12 vezes campeão paranaense. Mais conquistas? Eu posso listar: Dirceu, Kruger, Kosilec, Luis Freire, Eli Carlos, Aladim, Manga, Duílio, Tobi, Tostão, Rafael Camarota, Dida, Edson, etc... é prec…