DRAMA E FUTEBOL


É certo que todo brasileiro que se preze encara a Copa do Mundo como uma chance de comemorar mais um título.

Mas, em verdade, descobri que o que mais me chama a atenção mesmo é a dramaticidade de certos jogos, coisa que se repete nas copas nacionais e nos torneios continentais de clubes, mas que numa Copa do Mundo toma contornos de tragédia.

Já há bastante tempo, a FIFA faz uma edição competente de imagens, mesclando o jogo em si, as jogadas polêmicas e os sentimentos dos torcedores nas arquibancadas. O leitor já notou que nos "mata-matas" as câmeras procuram torcedores angustiados nas arquibancadas entre um lance e outro da partida?

E também há capricho no clima pré jogo. Oa jogadores são mostrados na zona mista, alguns incapazes de esconder o nervosismo, outros se abraçando e desejando sorte aos adversários. Eles entram em campo em um ritual sob aura de pompa e circunstância e cantam os hinos nacionais acompanhados pelos conterrâneos nas arquibancadas.

É um processo de preparação nacional e emocional (não necessariamente para acalmar ninguém) para o drama que vai seguir.

E realmente, o jogo acaba sendo, de regra, dramático. Peguemos o para nós trágico Brasil X Holanda da virada espetacular dos europeus. Passemos pelo tragicômico de Uruguay X Gana, onde o jogador que tirou o gol africano com as mãos, de vilão virou herói no tempo de apenas uma cobrança de penalti. Ou ainda Espanha X Paraguai, decidido no capricho da trajetória da bola nas traves.

A Copa do Mundo, além de uma competição esportiva, é um show de TV. Mais ou menos de 1982 para cá, substituiu-se o futebol fulgurante de gênios como Pelé, Puskas, Garrincha, Yashin, Gerd Muller, Eusébio, Mário Kempes, Cruijff entre outros, por uma transmissão que embala os sentimentos da platéia pelo mundo afora, por mais que craques ainda existam.

Nesse ponto, é o casamento perfeito entre esporte e show, atividade física e tecnologia.