CRAQUE É CRAQUE, O RESTO É ESPECULAÇÃO

Nessa véspera de jogo contra a Holanda, cansei de ouvir falar da "laranja mecânica" e da seleção deles de 1974, do carrossel de Rinnus Michels, etc...

Sempre digo que esquema nenhum no futebol resiste ao cabeça de bagre.

Se você colocar um time de comuns, pode inventar o esquema tático que bem entender, o mais revolucionário, o inverossímil na busca por surpreender o adversário que não vai adiantar absolutamente nada, o cabeça de bagre porá tudo a perder, principalmente se do outro lado tiver um craque.

Em 1974, a Holanda contava com Neeskens e Rosenbrink, dois craques, e com um jogador considerado um dos 5 maiores da história: Johann Cruijff.

Com esse material humano era moleza experimentar um esquema novo e revolucionário, ia dar certo, por mais que depois não tenha vencido o torneio, vez que o futebol não é ciência, a zebra acontece, é a parte mais apaixonante do esporte.

Porque craque pode desequilibrar. Em 1974, a Alemanha tinha Franz Beckenbauer e Breitner e foi para cima da Holanda. Craque contra craque, venceu a Alemanha por estar em melhor dia.

Em 1982, o time brasileiro de estrelas (Zico, Sócrates, Falcão, Toninho Cerezo, Junior, Leandro, etc...) em um dia ruim, perdeu para uma Itália que só tinha um craque, o então desacreditado Paolo Rossi que com seus gols, levou a taça Fifa para Roma.

E pode até haver exceção, porque, afinal, futebol não é ciência, mas todos os campeões do mundo ostentavam pelo menos um grande craque: Pelé (se bem qué ele não é craque, é lenda!), Zidàne, Materazzi, Garrincha, Mário Kempes, Lothar Mathaus, Maradona (eca!), Romário, Ronaldo, Ronaldinho, Rivaldo, etc...

É certo que a Holanda tem Roben. Mas eu tenho fé, e o Brasil tem Robinho, Kaká, Luiz Fabiano e Lúcio. Craque por craque, temos mais em quantidade, o Brasil é favorito. Claro que pode perder, porque todo mundo tem dias bons e ruins, mas uma coisa é certa: a seleção de Dunga não desdenha adversário, embora não tenha medo de história, como esta de 1974.