A GLOBO QUER "MATAR-MATAR" O FUTEBOL BRASILEIRO

A Rede Globo tenta convencer os clubes a mudar a fórmula de disputa do campeonato brasileiro, impondo um "play-off" entre os 8 melhores colocados para decidir quem será o campeão.

Alegam os representantes da TV dos Marinho, que a fórmula atual não é lucrativa e a audiência está em baixa, e que a solução é ter uma fase emocionante, mesmo que o campeão seja o 8º colocado, ao invés do primeiro da fase de classificação.

Talvez seja mais um aspecto da absoluta falta do conceito meritório que existe no Brasil, onde quem se esforça (no caso, quem se organiza para ter times fortes e regulares, pagando salários em dia, contratando com critério e dando condições de trabalho aos atletas) é sempre tratado com desdém, em benefício dos "mais espertos" que, no caso, são as preferências mercadológicas da TV carioca.

À Rede Globo só interessam os jogos de Flamengo e Corinthians, dois clubes que juntos devem 700 milhões de reais, a maior parte em impostos não pagos, e que recebem até seis vezes mais verba de TV que alguns dos demais da série A. Dois clubes que apesar de suas belas histórias, suas torcidas fantásticas e seu apelo popular, não são exemplos de boa organização, já que sequer possuem estádio e centro de treinamentos parecidos com os de clubes bem menos tradicionais, como o Coritiba, o Figueirense, o Avaí, o Vitória e o clube rubro-negro de Curitiba, que dizer se comparados com gigantes como o Grêmio, o Internacional e o São Paulo.

Ora, se a Globo não está contente com os resultados financeiros do campeonato brasileiro a ponto de insistir em premiar os mais populares em detrimento dos mais competentes, deveria é largar o osso e deixar que a transmissão seja feita pela Record e/ou pelo SBT, que já tentaram, em passado recente, oferecendo até 50% mais para os clubes.

Ou seja, o campeonato por pontos corridos dá lucro, muito lucro, que só não é suficiente para os executivos da Globo. Porque se lucro não desse, a TV dos Marinho já teria caído fora do negócio há muito tempo.

Querem mais lucro mandando às favas o conceito de mérito e dando o recado de que, no futebol brasileiro, organização não importa. Ou seja: não se organize mais nada, conte com a sorte dos "play-offs".