QUANDO A CRISE ARREFECER...

Não teve jeito e os governos pelo mundo afora desembolsaram trilhões de dólares para salvar o mercado financeiro do caos.

Ruim com os tubarões de Wall Street ou da City de Londres, pior sem eles, porque o crédito é um dos pilares de toda a economia mundial e não há Estado nacional que o supra ou mesmo substitua, salvo na cabeça de quem vaticinou o fim do capitalismo e mesmo do liberalismo, apostando na volta do Estado provedor, o mesmo que renega cubanos e norte-coreanos à pior das misérias.

Sem crédito, a tendência de uma economia é estagnar, de modo que os Estados nacionais trataram de salvar o sistema por razões como a sua própria salvação, afinal, eles também dependem de crédito para manter suas atividades, e para a salvação dos políticos que os governam, porque qualquer crise econômica respinga neles, especialmente nos países democráticos, sonciderando que não existe político que não nutra o sentimento de continuísmo.

Logo, o Estado tratará de salvar os tubarões e restituir o crédito do mundo.

Mas o fato é que uma nova legislação e atitude em relação aos mercados financeiros será o resultado dessa crise que, como todas as outras, é passageira. Isso porque no noticiário sobre a crise, pelo menos para mim, com parcos conhecimentos em teoria econômica, é estarrecedor:

Instituições financeiras gigantescas que não seguiram a regra básica de não concentrar investimentos em apenas um negócio afundaram no sub-prime americano. Pior que isso, instituições menores que, descobriu-se, dependiam de empréstimos das maiores para ganhar dinheiro nas diferenças de "spread" e que ficaram impedidas de operar do dia para a noite. E fora do ramo financeiro, empresas que acreditando no crédito barato, resolveram negligenciar a geração de caixa próprio tomando capital de giro nos bancos e outras, ainda, que passaram a negociar papéis em bolsa não para conseguir recursos para investimentos, mas também para substituir geração de caixa.

E isso em escala global, com incentivo dos generosos índices que vemos diariamente nos telejornais, que relatam desde os 50 mil pontos do Ibovespa até a taxa de crescimento econômico da Malásia.

A crise, então, tem efeito educativo. Penso que a partir da atual, formar-se-á um consenso no sentido de que os Estados acompanhem mais de perto as intrincadas operações financeiras, com os bancos centrais adquirindo muito mais poder sobre as instituições agindo como um contra-peso ao entusiasmo dos operadores privados, sempre ávidos por lucros cada vez maiores e mais rápidos, pouco se importando com o risco inerente.

Enfim, é um fato que se apresenta no horizonte.

Mas eu penso que nesse processo chegará uma hora em que, calmo o quadro geral, será o caso de deixar bem claro que o sistema foi salvo com dinheiro público, impostos pagos pelos cidadãos pelo globo afora, e que isso implica uma faceta penal,no sentido de punir com sanções econômicas e criminais aqueles executivos arrojados que ganharam bônus generosos apostando em negócios sem qualquer tipo de cautela, mesmo sabendo o que o sistema financeiro representa para um mundo globalizado.

Chegará um momento, quando a crise arrefecer, que os tribunais deverão colocar alguns pingos nos "is" e enviar uma mensagem de que cautela e responsabilidade são valores que afetam a todos, mesmo a uns quase deuses empoleirados em salas luxuosas de prédios envidraçados a movimentar dinheiro em escala global, sem lembrar que isso tem efeitos no mundo real.