CPMF/CSS PRA QUÊ?

Ontem minha mãe comentava que minha tia, em Porto Alegre, marcou uma consulta médica que o SUS enviou para daqui há 4 meses, mesmo estando ela muito doente, e que isso foi apenas a repetição do que ocorreu ano passado, quando a miraculosa CPMF ainda existia e "não faltavam" recursos para a saúde.

No mesmo dia eu abro o jornal e vejo uma foto enorme do ministro Temporão, anunciando que o SUS fará cirurgias de troca de sexo.

Ou seja, homens sadios vão ao SUS para realizar seus recônditos desejos sexuais, tomando lugar na fila de gente que precisa de cirurgias para salvar a própria pele. E com as graças do governo!

Minha tia não sabe se estará viva daqui há 4 meses, mas o Joãozinho transformista, sabe que dentro de algum tempo terá a anatomia feminina, mesmo não virando mulher porque isso é impossível.

Nada contra o indivíduo querer mudar de sexo. Faz do seu corpo o que quiser, mas isso não é caso de saúde pública, porque envolve uma parcela ínfima da população e porque há prioridades, a maioria não atendidas pelo SUS, que não piorou (nem melhorou) em absolutamente nada desde que a nefanda CPMF foi extinta.

Mas o governo não pensa assim e pretende financiar essas coisas com a ressuscitada CPMF, agora batizada de CSS. Enfim, manobra céus e terras e faz o toma-lá-dá-cá no Congresso onde a "base aliada" cobra caro para lhe realizar os desejos, tudo isso para agradar os homens descontentes com sua anatomia.

Tá certo que a questão da saúde não se limita a isso, mas esse caso é sintomático, mostra o desperdício de recursos públicos que os governos (não só o atual) teimam em não coibir, além das trocas de favores e das prioridades erradas, como troca de sexo ou, muito pior que isso, a criação de cargos em comissão na área da saúde, como o governador do Paraná impôs aos contribuintes mês passado.

A CSS não vai melhorar em nada o SUS e a saúde, porque o problema está na administração caótica e apriorística, onde interesses mesquinhos e a força dos "lobbys" passam por cima dos reais interesses da maioria da população.

Eos senhores parlamentares, atendidos em suas "reivindicações", deixam que isso aconteça e vão alimentando o buraco sem fundo com mais impostos, sendo que eles nunca são suficientes para cobrir tanta falta de foco.