O PROBLEMA DA EDUCAÇÃO NÃO É O CURRÍCULO


O problema da educação brasileira definitivamente não está no currículo que ela adota, à despeito da discussão tosca causada  por mais um ato mal divulgado do governo Temer.

No Brasil, se comete a excrescência de haver eleições para diretor de escola, elegendo o mais popular, o que quase sempre exclui o mais competente para a função. 

Em uma escola onde o diretor é eleito, ele deixa de ser professor para virar candidato, o que não guarda relação nenhuma com o ensino. E, pior, numa escola onde há processo eleitoral, existe situação e oposição, e em sendo isto não diferente de uma eleição qualquer, pode-se concluir que a permissividade adotada sob a desculpa de "democracia" ou até "participativismo" à transformou numa panela de pressão constante, onde o processo político influi (sempre para o mal) no educacional.

As reformas educacionais recentes agravaram esta situação. Sob a desculpa de privilegiar o pensamento, nossos alunos passaram a receber aulas de filosofia e sociologia. Não é preciso ser muito inteligente, basta visitar uma faculdade de filosofia brasileira, qualquer uma, para saber que a única intenção dessas medidas era de fazer proselitismo ideológico, uma forma de manter no senso comum do brasileiro o esquerdismo crônico que mantém o país no atraso atávico do Estado paternalista que despreza e atrapalha o cidadão sob a desculpa de protegê-lo e ampará-lo, isso com escolas ruins, segurança pública inexistente, saúde caótica e previdência incerta.

E dentro desse caldo de cultura, a inexistência de obrigações. 

Não preciso listar os casos de violência de alunos contra professores, porque estes são diários. Mas é bom lembrar as escolas pichadas e vandalizadas pelos próprios alunos, isso quando eles não aderem a algum movimento político e às invadem, impedindo seu uso para o ensino, como aconteceu no RS, em SP e no RJ pouco tempo atrás.

O aluno brasileiro só tem direitos. Obrigação, nenhuma, porque nem mais o seu desempenho escolar mínimo é cobrado, empurrado que ele é de série em série, porque os administradores públicos o encaram como uma despesa, não como um investimento no futuro do país.

E, a partir disto, a constatação da falta do mérito. Sempre me pergunto qual o incentivo que um bom aluno tem em tirar boas notas e se destacar, se nossa sociedade aprova a todos, mesmo os que não aprendem nada? Todos os anos vemos hordas de adolescentes saindo do nível médio sem a capacidade de escrever uma redação de uma lauda ou de entender um texto curto ou um enunciado de vestibular. 

As escolas brasileiras (não somente as públicas) viraram lugar de socialização, e só disto. 

Por não ter obrigações, o aluno se dirige à elas para namorar, para encontrar os amigos, para matar o tempo e as vezes para ter algum momento e lazer numa aula de educação física. Só isto, já que não tem obrigação alguma e é tratado como um ser intocável protegido por promotores de justiça e conselheiros tutelares que não sabem o inferno que é dar aula para quem não quer estudar e faz o possível para atrapalhar quem queira.

Some-se à isto pais omissos e famílias que não se importam com educação achando que seus rebentos são meros consumidores de educação.

Nas listas de melhores escolas brasileiras, se destacam as de viés militar, onde o aluno é sujeito a uma hierarquia e um conjunto de regras de disciplina. Ou seja, não é difícil constatar que o problema do ensino no Brasil não está no currículo, está na forma com que a sociedade brasileira o encara.

O ensino será tão mais eficiente quanto menos politizado, mais imparcial e mais disciplinado. Quando o Brasil entender que o aluno não é consumidor de ensino, mas agente dele, o currículo adotado será o menor dos problemas educacionais.