Pular para o conteúdo principal

PORTUGAL NA EURO - A VITÓRIA DO FUTEBOL COMPROMETIDO



Tantos empates e tantas prorrogações denotam, sim, um futebol pragmático, mas o diferencial da seleção verde-rubra foi o comprometimento, coisa que os pragmáticos da bola nem sempre praticam.Vivenciamos uma época de futebol por demais pragmático que sinceramente não me agrada, mas não se pode dizer que Portugal foi campeão apenas porque carregou o regulamento sob o braço. 

Falar em futebol pragmático e comprometido me lembra o Felipão. Sim, aquele Felipão multi-campeão pelo Grêmio, campeão da América pelo Palmeiras, campeão do mundo pela Seleção Brasileira e que elevou o futebol de Portugal a um patamar que não se imaginava. O Felipão mau-humorado, agitado e grosseirão que não admitia choro. O Felipão zagueirão pesado do interior gaúcho, não o paizão sentimental da Copa de 2014, muito menos aquele que, ao voltar para o Grêmio, declarou também necessitar de carinho.

Portugal teve muito comprometimento ontem e durante o torneio. 12 anos passados da derrota traumática na Euro que jogou em casa, era nítido que nossos patrícios portugueses jogavam com sangue nos olhos, acreditando em todas as jogadas, doando suor, deixando as lágrimas para outra hora, mesmo sabendo não serem favoritos e inferiores. 

Cristiano Ronaldo, craque afamado, übersexualpop star da humanidade saiu de campo mas não do jogo. Preferiu o banco, engolir as lágrimas e suportar a dor. Nada de chuveirinho mais cedo, nada de terno  e tribuna de honra, nada de "tô nem aí, sou milionário" como visto frequentemente nos campos do Brasil de Felipão.

E o jogo foi correndo, e a diferença técnica foi diminuindo na medida em que Portugal barrava o avanço da fabulosa seleção francesa embalada pela Marselhesa nas vozes dos seus concidadãos, no templo em que foram multi-campeões.

E ao lado do campo, Cristiano era um Felipão dos bons tempos. Navegar era preciso, e mesmo fora do jogo berrava, gesticulava, mandava fazer falta, xingava os companheiros e praguejava a torto e direito. Era o jogo da sua vida, era a vida do seu jogo que estava em disputa. E Portugal, que jogara três prorrogações, aos 10 do segundo tempo do prolongamento parecia estar inteiro, enquanto os (ótimos) franceses tropeçavam nas próprias línguas e já não conseguiam mais trocar passes precisos.

O futebol pragmático de Portugal avançou na Euro aos trancos e barrancos. Não jogou bonito, foi pro gasto. Mas jogou comprometido, porque além da vontade de vencer teve um líder. Aqui no Brasil o chamaríamos de marrento ou mascarado, mas um líder que engoliu as lágrimas e distribuiu "pqps!" inspirando os companheiros. Um líder sensibilizado pelo semblante preocupado dos compatriotas nas arquibancadas, que saiu do campo mancando para entrar na história do futebol do seu país - o grande líder de uma grande batalha onde viver não era preciso.

Foi épico. 

Postagens mais visitadas deste blog

O DISTRITÃO NÃO SOLUCIONA, MAS É MELHOR DO QUE HÁ HOJE

Existem dois tipos de eleitores no Brasil. O consciente, que vota naquilo que o candidato representa (para o bem ou para o mal), e o conivente, aquele que troca o seu voto por alguma benesse, ignorando as falhas gritantes do candidato.
Aqui, em Rio Branco do Sul, se um indivíduo não gastar no mínimo uns 100 mil reais não tem chance alguma de se eleger vereador. Quando meu pai foi candidato, 40 anos atrás, todo dia tinha fila na porta de casa, de gente pedindo dinheiro, cachaça, carona para ir para Curitiba, traslado para levar a mãe na benzedeira, contribuição para churrasco, material de construção, etc... e isso foi bem além da campanha, uns 10 anos depois ainda tinha gaiato dizendo que votou nele, emendando isso com pedido de trocados para gastar no boteco, e isso que não foi eleito, nem tentou de novo depois.
Moral da história: as campanhas eleitorais não são caras porque os candidatos querem gastar, elas são caras porque boa parte do eleitorado é corrupto e desonesto. E num ambie…

VIRAR PESSOA JURÍDICA PODE PREJUDICAR SUA APOSENTADORIA

Nestes tempos em que se discute com 15 anos de atraso uma reforma previdenciária profunda que ataque um dos dois principais problemas fiscais brasileiros, o déficit crescente do INSS (o outro é a conta absurda de juros), não deixa de ser importante discutir o efeito de transformar o empregado em pessoa jurídica.
Para nós, contabilistas, é o melhor dos mundos. O empregado de certa empresa vira pessoa jurídica, nós recebemos os honorários de tabela e ele ainda desconta 11% (quando somos pessoas físicas) do valor que é nossa contribuição previdenciária. Mas para o ex-empregado as coisas não são assim tão simples.
Quando você aceita virar pessoa jurídica, imediatamente tem de pensar em como ficará sua aposentadoria. Um empregado que ganhe R$ 15 mil mensais, contribui para o INSS pelo máximo da tabela, ou seja, ele está pagando para, quando completar o tempo e a idade, aposentar-se com um valor de aproximadamente R$ 5 mil por mês, talvez um pouco menos dependendo de sua média de contribui…

O ADEUS AO MAIOR DOS COXAS

"...não deixem que o Coritiba caia para a segunda divisão. Faça essa diretoria montar um time forte. Ano que vem o Coritiba completa 100 anos e precisa estar disputando o título brasileiro. Montem um time forte. Pensem grande. Lá do céu vou comemorar junto com vocês... "Abro o Coxanautas e vejo a notícia triste, o falecimento do maior dos Coxas.

Evangelino da Costa Neves, o "Chinês", veio de São Paulo e se apaixonou pelo Coritiba, clube pelo qual praticamente deu sua vida com esforço e dedicação como o de quem constrói o futuro de sua própria familia.

Digo aos meus leitores e lembro aos Coxas mais jovens as grandes conquistas deste homem incomum para nós Coritibanos: Construção do estádio Couto Pereira, Campeão Brasileiro, Campeão do Torneio do Povo(*), Fita Azul na Europa e 12 vezes campeão paranaense. Mais conquistas? Eu posso listar: Dirceu, Kruger, Kosilec, Luis Freire, Eli Carlos, Aladim, Manga, Duílio, Tobi, Tostão, Rafael Camarota, Dida, Edson, etc... é prec…