PINHEIRO MACHADO, O PRIMEIRO CONDESTÁVEL DA REPÚBLICA... MAS NÃO O ÚLTIMO


Fábio Max Marschner Mayer
Advogado e Contabilista
Pós Graduado em Direito Empresarial
http:/fabiomayer.blogspot.com
http:/predicaehistoria.blogspot.com

Não é de hoje que a política brasileira envereda pela obsessão em colocar em postos-chaves da República, conscientemente ou não, figuras por vezes impopulares com a função precípua de proteger um determinado regime ou eternizar no poder um determinado grupo político.
O aspecto mais complexo (que chega a ser engraçado) é que, no Brasil, a impopularidade é relativa. O indivíduo pode cair em desgraça junto à opinião pública, ter os piores aspectos da vida devassados pela imprensa e seguidos de desaprovação geral, mas as urnas e não raro as instituições acabam preservando-os. E menos raro ainda é o indivíduo nessa situação ficar ungido de uma expressão nacional tamanha, que seus defeitos notórios são falados à boca pequena pelas pessoas que os cercam, apesar de escancarados na sociedade.
Essa introdução é apenas para dar a dimensão da figura histórica da qual tratará neste ensaio,  um proeminente da República Velha, o Senador José Gomes Pinheiro Machado, por mais que a comparação com figuras atuais seja inevitável.
I – A formação intelectual.
Nascido em 08/05/1851, terceiro filho de um Juiz de Direito, engajou-se aos 14 na Escola Militar e partiu para a Guerra do Paraguai, dando baixa por imposição do seu pai e em razão de doenças provavelmente adquiridas no “front”. Passou então a ser estancieiro nas propriedades da família. Cursou a Faculdade de Direito de São Paulo, que concluiu em 1878.
A Faculdade de Direito do Largo de São Francisco foi provavelmente o maior reduto republicano do Império, cuja realeza definhava por motivos vários, como o enfraquecimento econômico da nobreza, o aumento da influência de estados como o Rio Grande do Sul e a influência dos Estados Unidos da América, país republicano, sobre o resto do continente.
Do Largo de São Francisco partiram muitos dos eventos políticos mais importantes da história do Brasil, e foi o meio onde Pinheiro Machado foi intronizado na política, especialmente a do seu estado natal, onde conheceu estudantes que nos anos seguintes teriam grande influência na história daquela então província, tais como Júlio de Castilhos e Assis Brasil.
Ou seja, Pinheiro Machado, por óbvio, abraçou em primeiro lugar a causa que mais afetava a cambaleante monarquia, o abolicionismo, mas o fez porque passou a ser renhido propagandista republicano, abraçando, os conceitos positivistas de Augusto Comte, basicamente fundados na primazia do conhecimento científico e do mérito, que no caso indicava que o poder político não poderia ser exercido por unção divina, mas pela meritocracia emanada da sociedade, dentro do conceito do “Amor por princípio, Ordem por base e Progresso por fim” que inspira o lema presente na bandeira nacional republicana, Ordem e Progresso.
É verdade que o Brasil adotou variantes desse pensamento em cada célula republicana, das muitas que eclodiram pelo Brasil em províncias diferentes, gerando conflitos internos que permearam a luta pela República e depois a própria República Velha.
No caso, Pinheiro Machado acabou no bojo da variante republicana sul-riograndense de Júlio de Castilhos, de linha arbitrária, mais tendente a um poder ditatorial, que  Ricardo Velez Rodrigues[i] bem resume como “autoritarismo doutrinário”.
Tratou de exercer esses conceitos já no início da vida profissional que seguiu na cidade de Cruz Alta e por óbvio, assim que eclodiu a Proclamação da República, aliou-se ao seu já citado  conterrâneo.

II – O republicanismo castilhista:

No ensaio “Conciliação: Os Partidos Políticos no Brasil” ,que o leitor encontra nesta mesma página da internet, eu já havia citado que a “...República Velha acabou marcada pela inexistência de forças políticas nacionais e homogêneas, que dizer de partidos, pois os ditos “partidos” regionais eram representação das oligarquias e coronelismos de cada estado...”[ii]. E assim foi no Rio Grande do Sul, onde a influência de Júlio de Castilhos, como já dissemos, legou o dito “autoritarismo doutrinário”, um pensamento republicano ditatorial no sentido de centralizar o poder e dele emanarem as ordens que supostamente permeiam o progresso positivista.  Não se estranhe isso, até porque república tem pouca relação com a democracia, pelo menos no conceito que guardamos nos dias de hoje.

Em verdade, esse pensamento com viés autoritário permeia toda a história política do Brasil desde a Colônia até os dias de hoje. Se é verdade que não exatamente nos termos propostos por Júlio de Castilhos ou mesmo por Augusto Comte, o fato óbvio é os políticos brasileiros tendem sempre a acumular poder e centralizar decisões e práticas para tentar eternizar-se no poder.
Mas a República Velha era instável. Cada um dos novos estados criados pela República tinha suas próprias oligarquias e seus próprios conceitos republicanos e políticos, em cada um deles havia grupos cujas rivalidades excediam a política, era o coronelismo puro e simples à serviço de um ou de poucos indivíduos, que tentava transpor-se para o plano nacional, o que efetivamente aconteceu ao menos com os grupos de São Paulo e Minas Gerais, na política do Café com Leite.
O “castilhismo” nada mais era que uma faceta disto, uma visão toda própria de república: conservadora, pouco afeita ao caráter negociador do liberalismo que também era um traço republicano, uma aproximação, como cita Velez Rodrigues, com o autoritarismo: “...Ao instituir a tutela e a cooptação como base da ordem social e política, ao mesmo tempo em que dava à nossa elite um bom argumento para se perpetuar no poder, Castilhos exonerava-a dos freios morais e políticos da sociedade liberal, expressados pelo no parlamento e nas liberdades...”.
Esse era, em resumo, o pensamento de Pinheiro Machado, e que, veremos adiante, permeou sua carreira política. Mas é interessante notar nesse momento os elementos que compõe o conceito tão bem expressado acima: tutela, cooptação e perpetuação no poder, conceitos que vigem até hoje na política brasileira em todos os níveis, e que definem as relações políticas brasileiras.

III – A atuação política.

Uma pesquisa rápida sobre Pinheiro Machado mostra uma unanimidade sobre seu brilhantismo pessoal, que não se confunde com o julgamento que cada pessoa venha a fazer de sua atuação política.
É traço cultural brasileiro apagar os defeitos das figuras públicas tão logo elas morram, e não foi diferente com este senador pelo Rio Grande do Sul.
Pinheiro Machado lutou na Revolução Federalista onde recebeu de Floriano Peixoto, pela sua comprovada capacidade em batalha, o título de “General de Brigada Honorário. Após isso, ingressou no caminho natural da política.
Nas páginas de história do portal UOL pode-se ler trechos da reportagem de cobertura do jornal “Correio da Manhã” sobre o seu assassinato, que dizem “...o General Pinheiro Machado, a exemplo de todos os grande dominadores das multidões, nunca tomou em conta da sua obra pública as opposições mínimas, as resistências imponderáveis ao seu espírito de lutador affeito a enfrentar e vencer as maiores energias antagônicas...”. Ou seja, era persistente, determinado e disciplinado em conseguir o que queria, acumulava poder, influências, e, claro, inimizades. E continuou o mesmo “Correio da Manhã”: “...Chefe político, de uma influência tão vasta, tão poderosa e quase podemos dizer tão incontrastável na vida da nação... “.  
Enfim, de constituinte de 1890/91(ao lado, claro, de Júlio de Castilhos) virou um acumulador de poder que ficou no topo da pirâmide política do advento da república até sua morte, em 1915, mesmo sendo opositor da política do “café com leite”, mesmo contestado por agremiações republicanas regionais.
Sendo acumulador de poder, e considerando que sua atuação tinha como premissas a tutela, a cooptação e a perpetuação no poder, também foi acumulador de riqueza. Usou do poder para enriquecer em torno das trocas de favores, da influência onipresente sobre a política e especialmente sobre a faceta do “fazedor de reis” ou do “paladino da república”, alcunhas recebidas, a primeira dos inimigos, a segunda dos aliados, por ocupar a presidência da “Comissão de Verificação de Poderes”  e a vice-presidência do Senado da República. Tornou-se um político poderoso, tinha influência, era temido e ainda por cima, acumulava riqueza material.
A “Comissão de Verificação de Poderes”, fora criada por influência do presidente Campos Sales, um hábil político oligarca, que empreendeu a “política dos governadores”, de acumular poder regional e transportá-lo para um poder nacional[iii]. A comissão parlamentar apoiava os governadores, tinha atribuições equivalentes às da Justiça Eleitoral de hoje. Nela, decidia-se da existência ou não de fraudes e irregularidades eleitorais, o que dava ao poderoso senador a faculdade de tirar a carreira política de alguns e entregá-la a outros, seus aliados, seus favorecidos, seus devedores ou credores de acordo com seus interesses, independentemente da quantidade de votos que os prejudicados tivessem. Ou seja, Pinheiro Machado trabalhava fortalecendo os governadores que por sua vez fortaleciam o presidente, e ao mesmo tempo se auto-fortalecia, pois ficava numa posição acima de todos eles.
Isso fez dele figura central de todos os governos da República a partir de então, apesar de mero membro do Legislativo, a ponto de ser chamado de “o homem que governa o governo”.
É óbvio que nos anais da história não se usa a palavra certa para definir isso, que é corrupção, não diferente da presente nos dias de hoje, com os mesmos objetivos: tutelar, cooptar e perpetuar-se no poder. Eduardo Bueno cita o historiador americano Joseph Love, que disse: “Noutras palavras, pairava ao seu redor um ar inconfundível de corrupção”[iv]. O fato do poderoso político ser retratado hoje em dia como um dos pilares da República, não é mentiroso, afinal, graças à ele, ela consolidou-se, embora não nos termos éticos que eram pregados antes dela nascer, mas nos termos éticos que permeiam a política brasileira durante toda sua história até hoje.

IV – O auge e a queda:

O auge de seu poder deu-se durante o governo do Marechal Hermes da Fonseca, quando  quebrou-se temporariamente a política do  Café com Leite e a presidência voltou às mãos dos militares, que a haviam entregado aos civis ao fim da era de Floriano Peixoto, não sem grande descontentamento que se acumulou nesse ínterim.
Até então, o presidente eleito ou era ex-governador de São Paulo ou era ex-governador de Minas Gerais. Mas o presidente Afonso Penna resolvera lançar à sua sucessão um de seus ministros, David Campista, o que desagradou a todas as correntes da República.
 Então ocorreu uma tríplice aliança entre o Exército (que durante toda a República, até a Constituição de 1988 sempre esteve presente como protagonista do embate político), Minas Gerais e Rio Grande do Sul e, claro, com a influência de Pinheiro Machado.
Então, São Paulo, estado traído pela perda da política até então vigente, apoiou Ruy Barbosa, o adversário mais ferrenho de Pinheiro Machado, única pessoa em todo o país e em toda a classe política que era capaz e tinha coragem de enfrentar o poderoso senador, mas que ao mesmo tempo era o único político temido por este, em razão de sua grande popularidade. Ruy era querido dos brasileiros desde os tempos do império, embora isso não lhe tenha valido o cargo de presidente.
Mas o fato é que a campanha rachou o país e reapareceram por todos os estados os “cismas” republicanos regionais, as pequenas oligarquias locais dividiram-se, algumas apoiavam o governo, outras não, e o resultado era o de não acumular poder na presidência, ao menos não como ocorria com a antiga política dos governadores, gerando as revoltas da Chibata e do Contestado, e oposição visível, num tempo em que haver oposição não era costume na política brasileira.
Foi aí que Pinheiro Machado experimentou o auge de sua glória, ele foi o artífice da política de “salvações nacionais” que buscava reaproximar o poder dos estados ao poder federal, combatendo insurgências regionais, impedindo a ascenção de políticos que não eram simpáticos ao poder federal, controlando o Congresso Nacional mesmo que por meios indefensáveis.
E assim foi, inclusive durante o governo seguinte de Venceslau Brás, até seu assassinato com uma punhalada em 8 de setembro de 1915 desferida por um popular, que afirmou durante o resto de sua vida que o fez sozinho, sem interferência de políticos, e cuja motivação encontrada em um bilhete que carregava, dizia ser o sofrimento do povo, atribuindo a Pinheiro Machado ser o símbolo todos os defeitos da política que não legava progresso e atormentava o país com suas eternas diatribes, seus acordos e acertos obscuros. Eduardo Bueno cita que “Talvez por isso tenha havido carnaval no Rio de Janeiro e em São Paulo, quando a notícia de que Pinheiro fora assassinado se espalhou. O povo associava sua figura à carestia, aos desmandos políticos e à manutenção do poder nas mãos dos oligarcas.”[v]
Pinheiro Machado foi herói para muitos, especialmente no Rio Grande do Sul e vilão para outros tantos. Há os que digam que ajudou a legar as péssimas práticas políticas brasileiras, há quem diga que deixou a consolidação da República.

V – Conclusão:
Nesse breve ensaio sobre a figura histórica complexa de Pinheiro Machado não tive a intenção de desfazer a importância da figura histórica, fica a critério do leitor julgá-lo, se quiser, fica ao encargo dos historiadores esclarecer a importância dele na história fora dos limites das minhas opiniões.
Minha intenção foi mostrar que muitas das práticas políticas brasileiras são atávicas, elas vêm desde o Império, são constantes em nossa história embora mais visíveis a partir da Proclamação da República.
Em um tempo em que não havia mídia eletrônica, onde os jornais de oposição eram empastelados, onde valia a adulação para manter os órgãos de imprensa, onde falar mal de político podia dar cadeia, Pinheiro Machado foi um homem super poderoso acima da Lei e das acusações.
Na época ele equivalia aos políticos de hoje em dia, eternamente encastelados em presidências de órgãos importantes apesar das denuncias contra si, apesar da impopularidade entre classes intelectualmente mais bem preparadas e principalmente, apesar das mudanças de grupos políticos dominantes, ajeitando-se ao sabor da situação de momento, mantendo-se sempre no topo da pirâmide política.
Pinheiro Machado não foi diferente de um político dos dias de hoje, que não renuncia de seu cargo mesmo flagrado pagando pensão para filha havida com amante com dinheiro público, ou acusado de coagir poderes para manter sua ascendência sobre seu estado de origem, ou ainda, defendendo calorosamente o governo de uma pessoa à quem tinha feito oposição ou por ela tinha sido oposto há pouco tempo passado.
Pinheiro Machado foi um político brasileiro, e a conclusão que tiro é justamente esta, de que no Brasil, muita coisa muda para tudo continuar exatamente como sempre esteve: tutela, cooptação e perpetuação de poder!




[i] Castilhismo: Uma Flosofia da República. Coleção Brasil 500 Anos, e-book, Editora do Senado.
[iii] Semelhanças com a política de nossos dias não são mera coincidência.
[iv] Brasil: Uma História, LeYa editores,  São Paulo, 2010, p.301.
[v] Idem nota anteror.