SERÁ QUE O DIREITO À PRIVACIDADE ACABOU?

De uns tempos para cá, com o aparecimento dos blogs e depois das redes sociais, a impressão que temos é que as pessoas estão abdicando da sua privacidade, escancarando suas qualidades e defeitos (principalmente eles), contando vantagem de ter ido a este ou àquele lugar, mostrando o carro novo, o celular novo, o novo apartamento e expondo crianças aos perigos da pedofilia cada vez mais presente na sociedade, alimentada pela incapacidade de pais que não sabem exatamente o limite da exposição que devem dar a seus filhos, que são tratados como mercadorias a serem exibidas ao mundo como prova da felicidade da família, que nem sempre é real que dizer constante, como parecem mostrar as fotos sorridentes que todas as pessoas (inclusive este que vos escreve) divulgam na internet.


Artistas, quase artistas, celebridades e sub-celebridades chegam a informar em que hora se dirigem ao mictório e não raro exibem crianças com a real intenção de transformá-las em fonte de faturamento. Pessoas ditas “públicas” que buscam alimentar uma opulência geralmente falsa, uma vida de compromissos sociais intensos que não condiz com suas posses materiais. E há inclusive, quem resolve divulgar sua decadência material para ser se consegue ser objeto de pena da sociedade para obter um sucesso redivivo, mesmo fugaz.


Também há os que partem para a briga, usam a internet para distribuir farpas, alimentar polêmicas, se fazerem de vítimas de uma injustiça falsa alimentada pela própria sanha em aparecer a qualquer custo para tentar faturar alguma coisa com o fato.


Some-se a isto a mania dos “reality shows” que evidenciam o pior lado de psiqué humana, generosamente exibindo corpos sãos em mentes adoentadas vendendo o corpo para satisfazer o desejo paranóico por fama e exposição, quase sempre não acompanhadas de progresso material, mas apenas de decepções. São programas em que o espectador anseia ver o que sabe que não verá e nos quais os participantes mostram a única mercadoria que lhes sobra para ficarem famosos sem talento e/ou capacidade intelectual, seus belos corpos generosamente exibidos numa postura sexista exagerada, até porque, é histórico que sexo é a mercadoria mais fácil de vender desde tempos imemoriais.


Isso reflete na sociedade. Não há um dia sequer em que, ao abrir a internet, não deparemos com alguma imagem bisonha postada em um facebook ou um orkut, de um indivíduo exibindo notas de vinte reais do salário recebido no dia ou outra usando biquini numa caixa dágua, isso quando algum marginal não exibe o produto de seus crimes e acaba preso em razão de sua estupidez extrema em se mostrar para os “amigos” como alguém bem sucedido.


É interessante para a imprensa dos nossos dias que a privacidade desapareça e que se possa devassar a vida alheia ao sabor da necessidade de preencher espaços em portais de internet com notícias bombásticas de apelo popular. É o sonho dourado de editores que precisam desesperadamente de fatos que chamem a atenção do grande público (e não do público qualificado, este pouco interessa para a internet) cujo interesse é fofocar sobre a vida de jogadores de futebol, atores de novela, modelos e gente da alta sociedade.


Mesmo assim, o direito à privacidade não acabou justamente pelo fato já comprovado de que só abre mão dela quem tem interesses econômicos imediatistas e quem não tem arcabouço intelectual suficiente para entender que seu exibicionismo não passa de uma piada pela qual a imensa maioria das pessoas vai rir pelas suas costas, os bôbos da côrte em versão de massa, cujos atos ridículos expostos na internet, servem para o entretenimento de milhões de pessoas que zombam da atitude pouco inteligente de se dar ao ridículo achando estar a caminho do sucesso com amigos e com desconhecidos.

O direito à privacidade, arduamente conquistado depois de centenas de anos de lutas por democracia e contra o absolutismo dos governantes é recente, ele remonta a meados do século XIX, tempo em que se consolidaram muitas das interpretações sobre direitos individuais havidas desde a Guerra da Independência dos EUA e da Revolução Francesa. E há quem diga ainda, que ele só grande valor por um curtíssimo período de tempo que ocorreu entre o fim do Macarthismo (a Caça às Bruxas nos EUA) e o 11/9/2001, quando passou a ser limitado em razão da necessidade de lutar contra as ditas forças assimétricas do terrorismo. Mais especificamente no Brasil, o direito à privacidade foi duramente golpeado com a possibilidade de quebra administrativa do sigilo bancário em favor do combate à corrupção e à sonegação fiscal, uma necessidade nacional que mesmo existindo legalmente, ainda assim é usada com muito critério a ponto de não virar, salvo episódios isolados, uma violação flagrante.


Mas a grande verdade é que o direito à privacidade só parece ter acabado, ele mantém-se firme a partir da atitude das pessoas. Uma famosa atriz de novelas conseguiu na Justiça uma decisão que impõe a certo programa de TV a manutenção de um perímetro de segurança tal que não possam atentar contra sua privacidade como tentaram por dezenas de vezes. Um renomado humorista simplesmente ignorou a pressão que o mesmo programa de TV lhe fez e simplesmente não deu atenção para a suposta polêmica de ter sido “mal educado”, de tal modo que o assunto simplesmente se esvaiu, desapareceu. A atitude de quem não quer sua vida esmiuçada em bocas de lavadeiras mantém firme e forte o direito à privacidade.


Nota-se nitidamente na sociedade atual uma divisão entre as pessoas que mantém os limites de sua privacidade, geralmente as mais capacitadas que não dependem de exposição pública, e as que transformam suas vidas em shows inverossímeis do tipo “acredite se quiser”. Com exceções (é claro), artistas, políticos e figuras públicas intelectualmente qualificadas mantém a postura sóbria de promover sua privacidade acima dos interesses em devassá-la, os (com exceções) desqualificados por sua vez, buscam a exposição a qualquer preço, por mais que ela lhe cause problemas futuros de falsa imagem mitificada, assumindo o risco de serem taxados o resto da vida como isso ou aquilo, em razão de não terem preservado sua imagem ao tempo certo.


Isso também vale para a sociedade no geral. Basta verificar no seu orkut ou facebook quem exagera nas poses sensuais das fotos ou mesmo na quantidade de imagens que expõe lá, ou, pior, na quantidade de informações pessoais absolutamente inúteis que desata a relatar como que tentando demonstrar uma vida num “glamour” que todos seus conhecidos sabem que não é verdadeira. É a uma busca pela fama fundada na esperança da “descoberta” por alguém, a tentativa de ser o que não é ou de mostrar que se insere em um meio que não é o seu. Isso é humano, há pessoas que têm essa necessidade de se mostrarem sempre exuberantemente felizes e com sucesso, mesmo que não seja humana uma vida de eterna felicidade e opulência.


Mas não significa nem de longe que o direito à privacidade acabou, na exata medida em que ela pode (e deve) ser defendida a partir de arcabouços legais ainda não revogados. A privacidade não acabou, o que acontece é que, agora, ela é uma construção intelectual e, como tudo o que depende de gente que pensa de verdade, demora para ser assimilada pelas massas, daí a falsa impressão geral de que a vida é um livro aberto.