FAVELAS - UM DOS DESAFIOS DA RIO 2016


Até por ser contra as olimpíadas no Rio de Janeiro, embora, repita, voto vencido e portanto agora torcendo para que sejam um sucesso, mesmo assim não vou deixar de apontar os enormes desafios que a cidade terá que enfrentar para sediar os jogos.

Em primeiro lugar, é preciso um amplo programa de desfavelização, que não pode ser confundido com aquela experiência demagógica dos anos 80, quando estado e município construíram escadarias para melhorar o acesso da população aos morros e quando muito bondes e teleféricos nos casos mais graves, mas sem uma visão verdadeiramente urbanística. O "socialismo moreno" institucionalizou o morro tolerando a instalação do caos urbano. Custou caro para o Brasil inteiro, que dizer para o Rio.

Há dois tipos de favelas no Rio, as pequenas, com até 5 mil habitantes, e as demais, que são verdadeiras cidades dentro cidade e cujo porte implica investimentos colossais em diversas áreas.

Urbanização pressupõe acesso, transporte, lazer, educação e segurança pública, de modo que, para desfavelizar uma comunidade não raro é preciso derrubar 1/3 dos barracos para fazer arruamento, iluminação pública, praças, canchas esportivas e obras de contenção de encostas, quando existe num morro.

A questão é que, em áreas menores, esse processo não é tão difícil ou custoso, e já existe ação pública nesse sentido, o programa Favela-Bairro, cujos fundamentos o leitor pode conferir aqui, e são justamente o de anexá-las aos bairros próximos, melhorando a mobilidade das pessoas que nelas vivem e buscando a melhoria da organização urbana, o arruamento e a construção de equipamentos de lazer, segurança e educação.

É óbvio também que, pelas características da empreitada, as pequenas comunidades são prioridade, porque urbanizando-as, a tendência é que deixem de ser fortalezas do crime organizado, até porque a enorme maioria de quem vive nelas não tem relação alguma com o crime. Ademais, em lugares com poucas pessoas, basta transferi-las, demolir os barracos e reconstituir a área.

Agora, o que fazer com as favelas de grandes dimensões, que além do caos urbano ainda encontram o seríssimo problema da criminalidade organizada a ditar seus rumos?

Num lugar onde vivem 20 mil pessoas como o da foto acima, é preciso ter arruamento pelo qual se possa fomentar o trânsito, especialmente o transporte coletivo regular integrado ao resto da cidade. É preciso ter parques e praças que aguentem um grande fluxo de visitantes. É errada a idéia de que bastam canchas esportivas e postos de saúde, é preciso criar corredores de trânsito e ruas arborizadas para fazer com que as pessoas circulem, o que leva à criação de áreas comerciais com melhoria efetiva da qualidade de vida das pessoas. Lugares assim precisam deixar de ser guetos para virarem parte de uma cidade, um bairro com ruas residenciais pacatas e outras movimentadas para o comércio. Estas áreas devem conhecer desenvolvimento econômico, o que é impossível sem mobilidade urbana.

A questão é que no Rio algo assim implicará numa anterior guerra ao crime organizado, que certamente não quer urbanização nenhuma. E haverá, claro, a contraposição a interesses políticos dos mais mesquinhos, partida daqueles que se aproveitam da miséria e da exclusão de pessoas, indivíduos que não têm interesse na criação de novos bairros e corredores de desenvolvimento.

É um desafio monumental. Mas se o Rio de Janeiro pelo menos não tentá-lo, e adotar a solução mais fácil, de fazer acordo com traficantes para sediar jogos tranquilos como ocorreu em 2007, o projeto olímpico de nada valerá para as pessoas que vivem nesses lugares, elas continuarão excluídas da sociedade.